Oratório de Santo Antônio lança cd nesta quarta(1º) no Palacete das Artes

DSCN0138

A trezena em louvor a Santo Antônio, que começa no dia 1º de junho, terá este ano uma programação especial. Ao completar 23 anos de vida, o Oratório de Santo Antônio, projeto idealizado pelo maestro Keiler Rego, terá abertura festiva no Palacete das Artes (equipamento vinculado ao Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural/Secretaria de Cultura do Estado da Bahia), na Graça, às 18 horas, e percorrerá 14 espaços da cidade com o seu repertório de cantos tradicionais em louvor a Santo Antônio. Na abertura, haverá o lançamento de CD comemorativo, que conta com as participações dos cantores Saulo, Juliana Ribeiro, Tonho Matéria, Márcia Short e Jota Veloso. O CD será vendido em todos os dias da Trezena ao preço de R$30,00. Já as apresentações terão entrada gratuita.

A base das apresentações do Oratório de Santo Antônio – projeto contemplado no edital Arte em Toda – Ano III, da Fundação Gregório de Mattos/ Prefeitura de Salvador- é o grupo coral formado por 60 vozes e conduzido pelo maestro Keiler Rego em ensaios que vêm acontecendo desde o início do mês de maio em Salvador. O repertório do grupo se baseia em cantos da Trezena de Santo Antonio, normalmente entoados em igrejas e comemorações domésticas, quando se reúnem os amigos e a família. “É uma celebração da nossa história e dos nossos antepassados, permeado por um clima de fraternidade e comunhão entre pessoas da comunidade”, define o maestro Keiler Rego.

Ele diz que o objetivo do Oratório é ajudar a preservar esta que é uma das mais tradicionais festas do Catolicismo no mundo e que tem grande expressividade na cena cultural baiana. Mérito desse santo carismático de origem portuguesa, nascido em Lisboa no ano de 1.195, que é sempre lembrado por seus milagres e cultuado popularmente pelas mulheres por seu propagado poder de “casamenteiro”.

 

Participações especiais

Para montar o repertório do Oratório de Santo Antonio, o maestro Keiler Rego fez uma pesquisa em torno das canções mais tradicionais e populares dedicadas ao santo, sendo algumas de domínio público, como “Glorioso”, “Divina Luz”, “Ladainha” e “Salve, Oh Antônio”. Há ainda duas músicas de autoria do próprio maestro (“Oração do Fiel” e “Milagroso é”, esta última em parceria com Zezão Castro) e outra de Jota Veloso (“Que Seria de Mim”).

O roteiro de apresentações do Oratório de Santo Antonio terá início no Palacete das Artes, no dia 1º de junho, às 18 horas, e seguirá pelos seguintes locais:

Dia 02/06, 19 horas – Igreja da Vitória (Vitória)

Dia 03/06, 19 horas – Igreja do Bonfim (Cidade Baixa)

Dia 04/06, 18 horas – Igreja Nossa Senhora da Luz (Pituba)

Dia 05/06, 19 horas – Igreja de Santo Antonio de Portão (Portão)

Dia 06/06, 18 horas – Fundação João Fernandes da Cunha (Campo Grande)

Dia 07/06, 20 horas – Paróquia Nossa Senhora Conceição Aparecida (Inbui)

Dia 08/06, 19 horas  – Igreja Santo Antonio Além do Carmo (Carmo)

Dia 09/06, 19 horas – Igreja Santo Antonio da Barra (Barra)

Dia 10/06, 19 horas – Paróquia de Santana (Rio Vermelho)

Dia 11/06, 19 horas – Museu Carlos Costa Pinto (Vitória)

Dia 12/06, 20 horas – Igreja da Lapinha (Lapinha)

Dia 13/06, 15 horas – Igreja de São Francisco (Pelourinho)

Dia 13/06, 18.30 horas – Museu Nacional da Cultura Afro Brasileira (Centro Histórico)

 

Santo Antônio

Nascido em Lisboa, Portugal, no ano de 1195, Fernando de Bulhões veio se nomear Antônio ao tornar-se membro da Ordem de Santo Agostinho e ser ordenado sacerdote, o que aconteceu aos 25 anos de idade. Em 1220, entrou para a ordem dos franciscanos e partiu para o Marrocos. Contudo, mal chegou ao país, ficou doente e teve que retornar à Europa.

Alguns anos mais tarde, viajou para a Itália a fim de conhecer Francisco de Assis. Depois do encontro, foi designado para lecionar Teologia aos frades de Bolonha e, com apenas 26 anos de idade, foi eleito provincial dos franciscanos do norte italiano. Aceitou o cargo, mas nele não permaneceu, pois sua vontade era pregar pelas vilas e cidades, atendendo aos necessitados. Assim percorreu várias regiões da Itália e do sul da França.

Antônio morreu em 13 de junho de 1231, nos arredores de Pádua, na Itália, com apenas 36 anos de idade. Foi sepultado numa basílica que se tornou lugar de peregrinação e canonizado no ano seguinte pelo papa Gregório IX.

Padroeiro de Pádua, Santo Antônio é venerado por ajudar a arranjar casamentos e encontrar coisas perdidas. Mas na vida real era um homem forte e destemido, implacável contra os opressores dos fracos e contra o clero que não vivia de acordo com as regras canônicas da época. Destacou-se, além disso, como grande erudito em assuntos bíblicos, o que fez com que a Igreja Católica o incluísse entre seus doutores. Na arte, ele é representado como um jovem cândido, com o hábito franciscano, segurando um lírio e carregando o menino Jesus (um dos milagres que teriam ocorrido com Antônio).

 

Contatos

Assessoria de Imprensa
Cleide Nunes
Palacete das Artes – Ipac/Secult-BA
Rua da Graça, 284 – Graça
71 99745858/987775409

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s