Jornada Pedagógica nos Museus estimula mais e novos projetos entre museus estaduais e escolas

2

Lançamento da Jornada

Aproximar os museus estaduais dos estudantes, professores, coordenadores e diretores de escolas públicas e particulares. Este é o objetivo da 1ª Jornada Pedagógica nos Museus que teve seu lançamento realizado no último dia 06/06, no Palácio da Aclamação (Campo Grande). “Este trabalho já é realizado sistematicamente através dos núcleos educativos dos museus, mas a partir desta Jornada queremos estimular os gestores e professores dessas escolas a construírem conosco novos projetos pedagógicos, aproximando ainda mais os estudantes das temáticas dos museus”, acrescenta Fátima Santos, da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC).

Após o lançamento da Jornada, estão sendo realizadas reuniões para que sejam discutidas as propostas de aproximação museu-escola. Esta força-tarefa é formada por representantes do IPAC, SecultBA, SEC e pelo professor Murilo Simões, professor de história e representante da MC Turismo Assessoria Educacional na Jornada Pedagógica nos Museus. “O objetivo é traçar metas e diretrizes. O resultado será feito em conjunto com as escolas públicas ou particulares. As escolas que já queiram incluir atividades nos museus nos projetos pedagógicos podem fazer contato com a Dimus ou os núcleos educativos dos museus (www.ipac.ba.gov.br/museus)”, informa Fátima Santos. Vinculado à Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA), o IPAC coordena ainda museus como o Palacete das Artes, Museu de arte Moderna (MAM), Museu de Arte (MAB), Centro Cultural Solar Ferrão, dentre outros.

Jornada Pedagogica nos Museus 2017 (351)m

Cristina Melo, Murilo Simões e Luiz Henrique Peixoto (SEC)

“O processo de abertura dos museus já é feita pela Dimus, encurtando essa distância entre esses espaços e as escolas. Como já fazemos um roteiro pedagógico, estamos estimulando a visitação constante dessas localidades, atrelados a esse projeto educacional com objetivo e justificativa. Esse projeto é um estimulo para o educado e também para o educando, pois constrói identidade e permite reverberar no futuro daquele aluno uma conscientização. O processo de ocupação dos espaços públicos traz a noção de pertencimento. E nada melhor do que construir através da educação uma ponte, levando também para questões sociais dando vida aos locais”, declarou Murilo Simões.

 

Marco Monteiro_Jornada Pedagogica nos Museus 2017m

Marco Monteiro

Presente no lançamento da Jornada, Marco Monteiro, vice-diretor Colégio Nossa Senhora das Graças disse que iniciativas como essa acabam favorecendo uma melhora na cultura. “Além disso, possibilita um resgate na nossa história, fazendo com que os alunos ganhem uma nova via de conhecimento, alterando a dinâmica das aulas e ajudando no aprendizado”.

Eliana Fernandes_Jornada Pedagogica nos Museus 2017m

Eliana Fernandes

Já Eliana Fernandes, diretora do Colégio Azevedo Fernandes, reforçou a importância desse resgate ao falar da parceria que a escola já tem com o LabDimus (Laboratório de Educação Digital: Museu, Arte e Cultura). “Somos privilegiados por estarmos no Pelourinho e termos a parceria com o LabDimus. Este trabalho permite o processo educativo de várias formas, realizando inclusive projetos em parceria, como no caso do ‘Quem Somos’. Através desse projeto trabalhamos a maior identificação dos alunos com o Centro Histórico, sua história, cultura e memória”, explicou.

Cristina Melo_Jornada Pedagogica nos Museus 2017m

Cristina Mello

“Trazer o olhar sobre o processo educativo é bastante importante, pois a ida ao museu não pode ser simplesmente uma visita, mas uma união de esforços entre todos, fazendo com que aquela aula viva tenha um objetivo. Dentre todas as possibilidades, essas visitas dos jovens e adolescentes aos museus vão ativar, no mínimo, uma memória afetiva. E, como a educação perpassa pelo conhecimento, essa ação permite que o aluno tenha um olhar mais diferenciado, dando uma nova perspectiva para o seu futuro e com relação com o equipamento histórico”, defendeu Maria Cristina Mello, coordenadora do LabDimus.

O Lugar do Museu – O IPAC desenvolve a política museológica estadual com várias ações. Em maio de 2015, lançou a campanha de mobilização #MusEuCurto que aumentou em 60% a frequência nos museus. Esta campanha vem sendo repetida anualmente, sendo que em 2017 o conceito é #MusEuSouMais.

Em setembro de 2015, o governador Rui Costa reabriu o Passeio Público – considerado um museu a céu aberto – iniciando o Programa de Dinamização de Espaços e Museus do IPAC. Em outubro, em parceria com o Goethe Institut, o IPAC promoveu o evento ‘O Lugar do Museu’ com gestores, curadores, professores e especialistas locais, nacionais e internacionais discutindo o papel social e artístico dos museus, programas, estratégias, modelos de financiamento e diálogos com as comunidades.

Em fevereiro deste ano (2017), o IPAC fez convênio com o Núcleo de Ópera da Bahia (NOP) para a ocupação artística do Palácio da Aclamação, na presença do músico Gilberto Gil. “Existe entendimento de especialistas em museologia de que museu não é apenas local expositivo, mas também de dinamização de acervo, ações educativas permanentes, ocupação artística de espaços contíguos, promoção de cursos, palestras, seminários, diálogo com as mais diversas linguagens artísticas e tecnológicas e, principalmente, com a sociedade local”, disse o diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira.

Assista ao vídeo: http://bit.ly/2n1mrVZ. Acesse: www.ipac.ba.gov.br, www.dimusbahia.worpress.com, facebook Ipacba Patrimônio, twitter @ipac_ba e instagram @ipac.patrimonio.

 

Anúncios