SecultBA divulga atividades culturais na Flipelô

Coletiva_FotoLucasRosario (2)

Parceiros e imprensa se reuniram na manhã desta terça-feira (11) na Casa de Jorge Amado, no Largo do Pelourinho, para a apresentação da primeira Festa Literária Internacional do Pelourinho – FLIPELÔ. A festa, que coloca o Pelô no mapa dos grandes eventos literários, acontece de 09 a 13 de agosto em diversos espaços culturais do Centro Histórico. O Secretário de Cultura Jorge Portugal foi uma das personalidades presentes na coletiva. O Governo do Estado é um dos grandes apoiadores da ação e a Secretaria de Cultura realiza programação integrada e alternativa durante a Flipelô.

Para Jorge, a Flipelô é a realização de um sonho que há muito tempo a escritora Myriam Fraga, idealizadora do projeto e entusiasta da criação de um evento de celebração da cena literária, compartilhou com ele ali na Casa de Jorge Amado. “Várias vezes, muito antes de iniciar minha história como secretário de cultura, nós nos reunimos aqui nesse espaço para pensarmos e sonharmos a Flipelô. Certamente temos aqui hoje a presença de Myriam, de Jorge Amado e de Zélia Gattai”, relembra Jorge, mencionando as três saudosas personalidades culturais que inspiraram e são homenageadas na Flipelô. “O Pelourinho é a fotografia da Bahia para o restante do planeta, e Jorge é presença no mundo e capaz de magnetizar a atenção dos aficionados por literatura de todas as partes. Portanto, o Governo do Estado não mediu esforços para estar mergulhado nesse evento que já nasceu sucesso”, afirma o secretário, ressaltando que a participação da SecultBA reafirma o seu papel nos grandes eventos literários do estado, juntando-se à Flica em Cachoeira,  a Fligê em Mucugê e a Flios, em Ilhéus.

O Professor Jorge Portugal também está presente na programação participando de um diálogo com o Professor Pasquale Neto, que acontecerá no Museu Eugênio Teixeira Leal, no dia 11 de agosto, sexta feira, às 16 horas. Para completar, Jorge escolheu a Flipelô para o lançamento do seu primeiro livro de ficção, “Por que o Subaé Não Molha o Mapa”.

A diretora da Fundação Casa de Jorge Amado, Ângela Fraga, comemora a receptividade que o evento em encontrado dos parceiros e do público. “A energia e o entusiasmo das pessoas, dos escritores que abraçaram o evento com bastante empenho e amor, além de todos os nossos parceiros apoiadores, tornaram possível esta festa que pra gente é nossa, é do Pelourinho, é de Jorge, de Myriam e de Zélia. E isso acontece em um momento muito emblemático, no qual a nossa fundação está completando 30 anos”, conta a diretora.

Das atrações preparadas pela SecultBA para a festa literária, destaques como o Grafias Eletrônicas, promovido pela Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), que combina literatura e audiovisual numa mostra com 20 VTs de artistas selecionados através do projeto em parceria com o IRDEB. Em uma mesa serão exibidos livros lançados por meio do Fundo de Cultura – Setorial Literatura; e os quatro volumes das revistas CartoGRAFIAS, lançadas em 2016 através do Mapa da Palavra.BA; exemplares dos livros Autores Baianos, lançados em 2013 e 2014. A coordenação ainda vai divulgar o projeto Escritas em Trânsito no evento. O Centro de Formação em Artes (CFA) realiza ações voltadas para alunos do curso de teatro da Funceb, da Escola de Dança da Funceb, jovens do ENCENA da SEC, jovens da rede estadual de ensino, educandos dos projetos arteducativos do entorno.

O Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), vizinho da Casa de Jorge Amado, tem uma programação que inclui diversas exposições, como de figurinos e brinquedos populares, de graffiti; Caixas e Teatro de Lambe-Lambe; e exibição do documentário Jorge Amado 100 Anos.

A Fundação Pedro Calmon (FPC) promove a terceira edição do Projeto Violão com a Palavra, aula-show que terá a cantora baiana, Jussara Silveira, acompanhada do violão de Luciano Salvador Bahia e mediada pelo compositor, estudioso da música e literatura popular, Paquito. Também na programação roda de conversa com escritores baianos e a Biblioteca Móvel, que disponibilizará um acervo de mais de 1000 exemplares, acompanhado de atividades de leituras, “contação” de histórias, palhaços, oficinas de recicláveis, peças teatrais e saraus literários.

A DIMUS/IPAC promove na Galeria Solar Ferrão a exposição Carybé Ilustra Jorge Amado, e também uma Oficina de Confecção de Livro de Pano. Também acontecerão oficinas de encardenação artística no Museu Udo Knoff e de contação de histórias no Museu Tempostal.  Já a LabDimus (Laboratório de Educação Digital: Museu Arte e Cultura) prepara uma performance baseada no livro Capitães da Areia, com estudantes do Colégio Azevedo Fernandes.

Realizada pela Fundação Casa de Jorge Amado, em co-realização com o Sesc, a FLIPELÔ conta com o apoio financeiro do Ministério da Cultura e Instituto CCR, através da Lei Rouanet, e Governo do Estado da Bahia. A produção está a cargo da Maré Produções Culturais, contando com apoio do Shopping da Bahia. A programação da festa literária é gratuita e aberta ao público.

Anúncios