Atividades da SecultBA vão movimentar a Flipelô

Flipelô

A contagem regressiva já foi acionada para a realização da 1ª Festa Literária do Pelourinho, que tem abertura oficial no próximo dia 9, mas as ações da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) na programação começam um pouco antes, no dia 8, e seguem até 13 de agosto. A programação da SecultBA no evento é promovida através de suas unidades vinculadas: a Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), o Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), a Fundação Pedro Calmon (FPC), a Diretoria de Museus (Dimus) e o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac).

Uma iniciativa da Fundação Casa de Jorge Amado, em co-realização com o Sesc, a Flipelô conta com o apoio financeiro do Ministério da Cultura e Instituto CCR, através da Lei Rouanet, e Governo do Estado da Bahia. A abertura do evento acontecerá na Igreja de São Francisco, com um Sarau de Maria Bethânia, no dia 9 de agosto, às 20h em uma apresentação para convidados. A produção está a cargo da Maré Produções Culturais, contando com apoio do Shopping da Bahia. A programação da festa literária é gratuita e aberta ao público.

Oficinas e workshops

O Centro de Formação em Artes (CFA) da Funceb abre a grade da programação, com o curso A Felicidade Clandestina: Ler Clarice Como Criança, ministrado por Izabel Gurgel, de 8 à 11 de agosto, das 9h às 12h. No dia 9, às 15h, a doutora em Educação com ênfase em Cultura Afro Brasileira, Vanda Machado, faz encontro com jovens para leitura de seu livro Pele da Cor da Noite. Às 17h o coordenador do Núcleo de Música do CFA, Edu Fagundes, ministra a oficina musical Caymmi e as canções do mar, acompanhado da cantora Lala Carvalho. O evento é voltado para alunos do Laboratório de Música e jovens músicos da Escola Criativa do Olodum, Projeto Axé, Projeto ACASA e Rumpilezzinho.

No dia 10, data de nascimento de Jorge Amado, às 15h, acontece o workshop Um dedo de prosa na cena, com o dramaturgo e diretor teatral Gil Vicente Tavares sobre adaptação de textos em prosa para dramaturgia, a partir do livro Do Conto à Cena – reinventando Jorge Amado, organizado pelo próprio dramaturgo.

Coletivos de poesia

Ainda no dia 10, às 17h, no Terreiro de Jesus, acontece o 1° dia do Encontro dos Coletivos de Poesia para apresentação de seus livros, com Grupo Arte Marginal (Pombagem) e Sarau do Paço (Gato Preto). No dia 11, às 17h, também no Terreiro, será realizado o 2° dia Encontro de Coletivos de Poesia, com Sarau da Onça, Grupo Resistência Poética e Sarau Enegrescência.

A programação retorna no dia 11, às 15h, com a aula de Dilson Midlej sobre o tema Jorge Amado e os artistas visuais da Bahia, para alunos dos cursos de dança, teatro e música da Funceb e dos projetos arteeducativos do entorno do Pelourinho. A Escola de Dança da Funceb também participa da Flipelô, com programação de 11 a 13 de agosto. Na sexta-feira os alunos do Curso Preparatório apresentam Pau de Fita (14h) e Maracatu (15h). Nos dias 12 e 13, sábado e domingo, das 14 às 17h, alunos do Curso de Educação Profissional e dos Cursos Livres apresentam solos da recente mostra TôNaCena bem como coreografias que vêm construindo nas aulas semanais.

Grafias Eletrônicas

A Coordenação de Literatura da Diretoria das Artes (Dirart) da Funceb, em parceria com o CCPI, fará uma ocupação no Salão Principal da Casa 12, no Largo do Pelourinho. Nesse espaço serão exibidos 20 VTS dos artistas selecionados no Grafias Eletrônicas, projeto desenvolvido pela Funceb em parceria com o Irdeb. Além disso, os participantes da Festa Literária também poderão visualizar o portal do Mapa da Palavra.BA, tendo acesso à produção literária de artistas da Bahia. Serão expostos e distribuídos livros lançados por meio do Fundo de Cultura – Setorial Literatura; os quatro volumes das revistas CartoGRAFIAS, lançadas em 2016 através do Mapa da Palavra.BA; exemplares dos livros Autores Baianos, lançados em 2013 e 2014. A coordenação ainda vai lançar a segunda oficina do projeto Escritas em Trânsito, com a escritora gaúcha Eliane Marques. As ações acontecem diariamente, de 09 a 13 de agosto, a partir das 9h.

Concerto para Jorge Amado

Em sua primeira edição, a Flipelô é também uma grande homenagem ao escritor Jorge Amado, que tinha no Pelourinho um cenário recorrente em parte de sua obra. Em referência a isso, o CCPI promove na quarta-feira, às 16h30, a apresentação Orquestra ComPassos – Concerto para Jorge Amado. O concerto é composto por canções de co-autoria de Jorge e composições inspiradas na obra do escritor, acontece na calçada da casa 12, sede do CCPI.

Exposição de brinquedos

Além disso, no mesmo dia, a partir das 9h, já estarão abertas para visitação, permanecendo até o dia 13, a exposição grafitada Vida e Histórias de Jorge Amado, do artista Denis Sena; a exposição de figurinos e brinquedos populares, além do documentário Jorge Amado 100 Anos, que será reexibido durante todo o dia. A partir das 15h, tem o Teatro Lambe-Lambe, que apresenta os espetáculos inspirados nas obras de Jorge, O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá, montado por Janice Santos, e O Quarto de Dona Flor, por Ismine Lima e Denise Santos. Na sexta, 11, às 16h, a quituteira Dadá dá a palestra Quitutes Preferidos de Jorge Amado. E no dia 13, às 16h, acontece a segunda apresentação do Concerto para Jorge Amado, com a Orquestra ComPassos.

Biblioteca Móvel

A Fundação Pedro Calmon (FPC), busca com uma programação diversificada evidenciar a importância da escrita e da leitura para a formação cidadã. As ações estão centradas em despertar o leitor, ou potencial leitor e escritor, para as múltiplas formas de expressão e, sobretudo para um conceito mais ampliado de leitura e para o exercício da escrita. Começando no dia 10 e indo até o final da Flipelô, a Biblioteca Móvel estará instalada no Terreiro de Jesus, disponibilizando um acervo de mais de 1000 exemplares, além de atividades lúdicas como mediação de leitura, contação de histórias, saraus literários, oficinas de recicláveis, palhaços, peças de teatro e muito mais, voltado sobre tudo para o público infanto-juvenil. Entre os destaques, bate papo com a escritora Maria Izabel sobre seu novo livro Conto de Fadas na Realidade Afro Baiana, no dia 10, às 11h. O lançamento do livro de Silvano Sulzar, “O Diário de Davi: Preconceito racial, homofobia e bullying na escola”, e o show de stand up comedy com o historiador e comediante Matheus Buente, no dia 11, às 14h e às 15h. A CIA de Teatro da Biblioteca infantil Monteiro Lobato com o espetáculo Sito do Pica-Pau Amarelo da Diversidade, no sábado, 12, às 15h. E ainda bate papo com a blogueira de livros , Larissa Sousa Vieira, do blog Fuxico literário, no domingo, 13, às 15h. A programação é extensa e começa sempre às 9h, seguindo até o final do dia.]

Ainda através da FPC, a escritora e jornalista portuguesa Alexandra Lucas Coelho participa de duas importantes ações durante a Flipelô. No dia 10, às 18h30, na Arena do SESC Pelourinho, com o intuito de discutir a influência de nossa literatura nos países de língua portuguesa, a escritora estará à frente das conferências “Deus-dará: um livro que vem da Bahia e vai para a Bahia”, referência ao livro de Alexandra, ainda não lançado no Brasil. A mediação será de Gildeci Leite. E no dia 12, às 17h, no Centro de Formação em Artes, Alexandra participa de roda de conversa com escritores baianos, que estarão presentes junto ao público interessado na plateia.

Ação dos museus

Os museus administrados pela Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (DIMUS/IPAC) promovem programação durante todos os dias da Flipelô. Com abertura no dia 9, o Centro Cultural Solar Ferrão recebe a exposição ‘100×100 Carybé Ilustra Jorge Amado’, buscando promover uma reflexão sobre a cultura da Bahia através do relato da amizade entre dois grandes ícones responsáveis por obras de que mesclam originalidade e beleza, a mostra traz ilustrações de obras como O Sumiço da Santa e Jubiabá, além de fotos que revelam diferentes momentos da amizade entre Jorge e Carybé. A galeria do espaço ainda recebe a oficina ‘A Arte do Livro de Pano’, coordenada pela socióloga Eliene Diniz, nos dias 10, 11 e 12 de agosto das 08h30 às 12h. Durante os dias da oficina estarão em exposição os livros confeccionados e edições anteriores, e ao final da atividade serão narradas as histórias coletadas por seus criadores com a apresentação dos livros. Ainda na programação acontece o lançamento do livro de literatura infantil “Arthur, o Pequeno Filósofo” de autoria de Cristina D’Avila, dia 10/08 às 14h30, com o Grupo Tecendo Contos e, em seguida, uma conversa com a escritora.

A programação também acontece no Museu Udo Knoff, com oficina de encadernação artístico-criativa, com Melissa Santos, no dia 10, a partir das 14h; e a Oficina POEMUSIK leva poesia musicada ao dia 11, às 14h, mediada por Gabriel Dantas e Fabiana Pancho, ambos colaboradores do museu. Já no Museu Tempostal, em parceria com o Grupo Contadeiras, acontecem duas atividades. No dia 10/08 acontece a ‘Tempestade de histórias para crianças e outras brincadeiras’, uma contação de histórias voltada para os alunos de 3 a 5 anos da Escola Municipal João Lino, localizada no Pelourinho. A atividade contará com duas turmas (uma às 9h e outras às 14h). Nos dias 11 e 12/08, das 08h30 às 17h, acontece a Oficina de Contação de Histórias voltada para educadores, pedagogos e demais interessados. As inscrições podem ser realizadas através do e-mail: ocht2017@gmail.com. Serão 30 vagas para a atividade.

Mostra de autores baianos

Já o Centro de Documentação e Memória do IPAC (CEDOM), promove durante os dias da festa a Mostra Coletiva Livros de Artista. Pela segunda vez em Salvador, a exposição de livros, sketchbooks, flipbooks e zines, ressalta o processo de criação de cerca de 60 obras de artistas baianos, através de uma reflexão sobre alguns aspectos da produção contemporânea. Também farão parte de uma mostra os Cadernos Especiais do IPAC, que trazem estudo aprofundado de diversas manifestações culturais do estado. Já no dia 11 de agosto, às 10h, o professor e doutor em história Luiz Freire palestra sobre “Manuel Querino: A escrita como instrumento na luta pela memória da arte e dos artistas na Bahia”, relembrando a trajetória do intelectual negro santamarense que contribuiu de forma efetiva para a cultura baiana.

Anúncios