Exposição no Museu do Recolhimento dos Humildes homenageia o Bembé do Mercado

Como parte dos festejos do Bembé do Mercado em Santo Amaro, o Museu do Recolhimento dos Humildes recebe a partir de 12 de maio a exposição “Egbé Ojá – 133 anos de Bembé do Mercado”. Realizada em parceria com a Prefeitura de Santo Amaro e a Associação Beneficente Bembé do Mercado, a ação tem o intuito de valorizar as simbologias dos terreiros de candomblé, assim como trazer reflexões sobre a cultura negra, sobretudo em seu sentido religioso e artístico.

Anualmente, o Largo do Mercado Municipal de Santo Amaro se torna palco de uma grande cerimônia de candomblé que reúne vários terreiros da região: o Bembé do Mercado. “Trata-se de uma das principais manifestações populares do Recôncavo, que, além de manter viva uma importante tradição, movimenta a economia local”, explica a coordenadora do Museu do Recolhimento dos Humildes, Paola Publio.

Por meio de fotografias e de peças inspiradas nos terreiros participantes da Associação que remetem a elementos representativos, a exemplo de búzios e palha da costa, a exposição “Egbé Ojá – 133 anos de Bembé do Mercado” homenageia a festividade reconhecida como patrimônio cultural pelo Iphan e pelo Ipac.

Bembé do Mercado – A manifestação religiosa e cultural teve início em 13 de maio de 1889, quando o pai de santo João de Obá juntou adeptos do candomblé para celebrar a abolição da escravatura que tinha ocorrido no ano anterior. Em 2022, quando o Bembé completa 133 anos, os festejos acontecem de 11 a 15 de maio. São três dias de comemoração no mercado, além de shows à noite, missa na Igreja da Purificação e entrega do presente a Iemanjá na Praia de Itapema no domingo.

O Museu do Recolhimento dos Humildes funciona de segunda a sexta, das 9h às 16h, na Praça Frei Bento, em Santo Amaro. A entrada está condicionada à apresentação do comprovante de imunização contra a Covid-19. O espaço é administrado por meio de um Convênio de Cooperação Técnica e Administrativa pela Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (DIMUS/IPAC).

Exposição virtual homenageia Dia do Postal

Você sabia que o cartão-postal foi instituído no Brasil por meio de um decreto (7.695) em 28 de abril de 1880? Para comemorar a passagem da data, o Museu Tempostal apresenta a exposição virtual “Por dentro das memórias, por trás dos postais”, que busca apresentar as relações comunicacionais e afetivas através da troca de cartões-postais materializadas em seu acervo.

A exposição faz parte do projeto desenvolvido no componente Estágio Curricular vinculado ao curso de Museologia da Universidade Federal da Bahia, ministrado pela professora Luciana Messeder Ballardo. A ação tem o intuito de proporcionar aos estudantes do curso de graduação em Museologia a experimentação prática dos conteúdos teórico-metodológicos desenvolvidos em componentes curriculares ligados à área de Gestão Museológica e Ação Educativa em Museus.

Confira a exposição na nossa Galeria Virtual.

Publicado em 1

Museu Udo Knoff fica fechado para manutenção até a próxima segunda

A partir de hoje, 13 de abril, o Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica estará fechado para visitação por conta da execução de serviços de manutenção no prédio. O equipamento cultural volta a receber visitantes no dia 19 de abril.

O Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica é vinculado à Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, autarquia da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). 

Publicado em 1

Visitantes dos museus do Ipac devem apresentar comprovante de vacinação

O IPAC reabriu alguns de seus museus em agosto deste ano com toda segurança e prevenção contra a Covid-19 para visitantes e funcionários. Agora, atendendo ao decreto regulamentado pelo Governo do Estado n° 20.913, é necessário apresentar o comprovante de vacinação para acesso aos espaços museológicos, bem como às áreas institucionais do IPAC.

Traga seu documento que comprove que já tomou a 2ª dose da vacina ou a dose única e seja bem-vindo(a) aos museus do IPAC e suas áreas institucionais. A comprovação deve ser mediante apresentação do documento fornecido no momento da imunização ou do Certificado COVID, obtido através do aplicativo “Conect SUS”.

Moradores de Cabaceiras expõem pinturas de super-heróis negros no Parque Histórico Castro Alves

Inspirado na exposição “Representações dos super-heróis negros nos quadrinhos”, organizada pelo Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica em parceria com o professor Sávio Roz e estudantes de artes visuais do Iceia, o Parque Histórico Castro Alves produziu a sua versão da mostra com azulejos e telas criados por membros da comunidade de Cabaceiras do Paraguaçu. As obras ficarão em exibição até fevereiro de 2022. 

O processo de criação das telas e azulejos incluiu um bate papo sobre igualdade de direitos e de oportunidades e sobre a representatividade dos negros em revistas, livros, jogos de vídeo game e produções audiovisuais. Conheça os artistas da mostra (e programe-se para ir até o Parque visitar a exposição): Alan Trindade, Alex Trindade, Alice Anunciação, Bruno Oliveiro, Casca, Denise Barreto, Gilvana Dias, Jeferson Oliveira, Larissa Passos, Miguel Oliveira, Nizinha Oliva, Vinicius Passos.

Licitação para projeto expográfico do Museu do Recôncavo Wanderley Pinho está aberta

Foto: Fernando Barbosa

Está aberta a licitação para a execução do projeto executivo da exposição de longa duração do Museu do Recôncavo Wanderley Pinho, localizado em Caboto, distrito do município de Candeias. A ação faz parte do projeto de recuperação e restauração do museu, que integra o Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur Bahia), é executado pela Secretaria de Turismo do Estado da Bahia (Setur) e pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), e conta com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

A empresa que ganhar a licitação ficará responsável pela montagem do projeto expográfico elaborado pela historiadora e museóloga Simone Trindade, e pelo museólogo e fotógrafo Anibal Gondim, da empresa Tecnomuseu. A diretora de museus do Ipac, Fátima Santos, descreve que, além do próprio acervo do museu, que atualmente, por meio da licitação n.º 001/2021, está sendo restaurado pelo Studio Argolo Antiguidades e Restaurações, a exposição contará com painéis informativos com conteúdo bilíngue, recursos audiovisuais e recursos cenográficos que visam recriar os ambientes do antigo Engenho Freguesia. Organizada em torno de três pilares conceituais (o referencial histórico, a ambiência e a interação com o público), ela ocupará a casa grande, a capela e a fábrica.

“A exposição abordará as diversas narrativas que contribuíram para a construção da história deste espaço: não somente os senhores de engenho, mas os povos originários, os escravizados, os trabalhadores livres, os agregados, as mulheres, as crianças”, explica Simone Trindade. A museóloga conta ainda que a intenção é demonstrar que não se trata de uma história distante e sim de tradições e modos de vida que nos ajudam a refletir sobre quem somos hoje: “São saberes e sabores que ainda vivenciamos”.

A licitação será efetuada conforme os procedimentos de Licitação Pública Nacional (LPN) estabelecidos nas Políticas para a Aquisição de Bens e Contratação de Obras Financiadas pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento, edição GN 2349-9, e está aberta a todos os licitantes elegíveis, conforme definido nestas normas. Interessados em participar podem obter todos os documentos acessando o site http://www.prodeturbahia.turismo.ba.gov.br/aquisicoes/ ou encaminhando uma solicitação para o e-mail cel.prodetur@turismo.ba.gov.br. Por meio desse e-mail também é possível pedir informações adicionais. 

As propostas deverão ser entregues até as 10 horas, do dia 17 de agosto, na Comissão Especial de Licitações (CEL) da Secretaria de Turismo do Estado (Setur-BA), que fica localizada na Avenida Tancredo Neves, 776, Bloco A, 5º Andar, Caminho das Árvores, Salvador, CEP: 41.820-904. Nessa data e horário, as propostas serão abertas na presença dos licitantes. Caso a pandemia de Covid-19 inviabilize a sessão presencial, será disponibilizado e enviado a todos os interessados o link para reunião virtual.

Publicado em 1

Centro Cultural Solar Ferrão recebe projeto de prevenção de incêndio e pânico

O Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC) deu início à obra para execução do projeto de prevenção de incêndio e pânico do Centro Cultural Solar Ferrão e de mais três imóveis anexos. De acordo com o diretor de Projetos, Restauro e Obras (Dipro) do IPAC, Fernando Caldeira, e a arquiteta responsável pela obra, Soane Barbosa, esta obra integra a política de segurança do patrimônio edificado e museológico do Solar Ferrão.

Para a obra, iniciada em maio e com prazo de finalização no fim do mês de setembro deste ano, serão investidos mais de R$ 280 mil. A previsão é de que o museu seja guarnecido de rede de detecção de fumaça e central de alarme, além da implantação de rotas de fuga, com sinalização e balizadores para a saída do público em segurança, no caso de sinistro.

“A requalificação deste Complexo Cultural contemplará esquadrias, piso, pintura, forros, manutenção da rede elétrica e hidrossanitária, paisagismo e cobertura, o que representa uma valorização e proteção deste patrimônio tombado, adequando o imóvel às normas de prevenção e combate à incêndio e pânico e oferecendo um melhor atendimento aos visitantes”, destaca Fernando Caldeira.

“Até o momento já foram executados serviços administrativos, de limpeza, de adequação e organização do canteiro de obras, além de serviços de instalação da tubulação correspondente ao sistema de detecção de alarme/incêndio em alguns pavimentos”, complementa a arquiteta Soane Barbosa.

O Centro Cultural Solar Ferrão está localizado no Centro Histórico de Salvador (Pelourinho), maior conjunto arquitetônico protegido da América Latina e Patrimônio da Humanidade pela Unesco. O sobrado é um casarão construído entre o fim do século XVII e início do século XVIII. Possui seis pavimentos e abriga a Galeria Solar Ferrão, o Museu Abelardo Rodrigues e quatro coleções: a de arte africana Claudio Masella, a de Arte Popular, as plásticas sonoras de Walter Smetak e a de Instrumentos Musicais Tradicionais Emília Biancardi.

Fotos: Fernando Barbosa

Publicado em 1

Requalificação do Museu Wanderley Pinho chega a 70%

As obras de requalificação do Museu do Recôncavo Wanderley Pinho já estão 70% prontas. A evolução dos serviços, que envolvem recuperação da edificação, restauração do acervo e do acesso por via marítima, foi acompanhada, nesta quinta-feira (15), pelo secretário de Turismo da Bahia, Fausto Franco, e do diretor geral do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), João Carlos Oliveira, em visita técnica ao equipamento cultural localizado no distrito de Caboto, em Candeias. A ação integra o Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur Bahia), executado pelo Governo do Estado e financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

As intervenções de restauração e recuperação do museu, no valor de R$27 milhões, fazem parte de um conjunto de obras que estão sendo realizadas no entorno da Baía de Todos-os-Santos (BTS), o que resultará na requalificação do turismo náutico e cultural da maior baía do Brasil. A conclusão está prevista para o segundo semestre. Ao percorrer a área do Wanderley Pinho, o secretário Fausto Franco ressaltou que esta obra “vai conversar com as demais obras realizadas ao entorno da BTS, gerando grande ganho para o turismo náutico, segmento que tem crescido muito, sobretudo neste momento de pandemia”. Fausto também lembrou a importância histórica e econômica da Baía, que era a via ligação entro o Recôncavo e a capital.

De acordo com João Carlos Oliveira, do Ipac, além de equipamento cultural importante, o Wanderley Pinho abrigará restaurantes, lanchonetes, miniconvention, cerimonial e salas multiuso que vão possibilitar a realização de grandes eventos, com até 500 pessoas, o que tornará o equipamento autossustentável.

Localizado no distrito de Caboto, município de Candeias, o Museu Wanderley Pinho é um importante equipamento cultural que conta a história do ciclo do açúcar a partir do século XVII, como destacou o historiador Francisco Senna, que acompanhou a vistoria. Ele lembra que o Estado foi um importante polo da economia do açúcar, sendo Salvador um entreposto, “mas a produção vinha toda do Recôncavo Baiano”.

Com um acervo de mais de 200 peças e achados arqueológicos que remontam ao ciclo do açúcar, o museu ocupa um casarão de quatro andares e 55 cômodos no antigo Engenho Freguesia, e inclui ainda uma capela. Tombado como patrimônio nacional pelo Iphan, a construção possui grande importância arquitetônica e cultural, sendo administrado pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac).

Participaram também da visita técnica o chefe gabinete do Ipac, Ackermann Yeddo; o comandante do 2º Distrito Naval, vice-almirante Humberto Caldas da Silveira Júnior; a deputada estadual Fabíola Mansur; o historiador e assessor especial da Setur, Rafael Dantas; o empresário Joacy Góis; e outros empresários parceiros.

Publicado em 1

Live aborda a cultura e devoção dos santos de Santo Amaro

No próximo 20 de abril, às 17h, o Museu do Recolhimento dos Humildes (Santo Amaro/BA) promove mais uma live no Instagram @museusdabahia. Com o tema “Os santos de Santos Amaro: cultura e devoção”, a live terá como convidado Márcio Cidreira, coordenador de liturgia da Paróquia da Purificação, artista plástico, museólogo, professor e especialista em História da Arte e Patrimônio Cultural.


De acordo com a coordenadora do museu, Paola Humildes, o convidado vai abordar, entre outros assuntos correlatos, as devoções particulares do povo de Santo Amaro. “Vamos falar sobre os santos de devoção e suas formas de culto e festa”, completa.


O museu – Instalado no Convento de Nossa Senhora dos Humildes, em Santo Amaro, o Museu do Recolhimento dos Humildes é datado de junho de 1980. O acervo é de propriedade da Congregação de Nossa Senhora dos Humildes composto por imagens sacras delicadamente ornamentadas pelas recolhidas, além de cristais, pratarias, mobiliário, porcelanas, paramentos, rendas e alfaias (objetos litúrgicos). São cerca de 500 peças datadas do século XIX e tombadas pelo (IPHAN). Já o prédio é tombado como Patrimônio da Bahia pelo IPAC. No momento, o acervo do museu vem passando por ações de conservação e restauração. Enquanto isso no local vem sendo realizada uma série de atividades em parceria com diversas instituições de cunho educativo, cultural e social com a comunidade de Santo Amaro. O Museu do Recolhimento dos Humildes é administrado por meio de um Convênio de Cooperação Técnica e Administrativa pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), unidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA).      

Publicado em 1

Projeto leva público para passeio virtual pela Coleção de Instrumentos Musicais Tradicionais Emília Biancardi

Agora qualquer pessoa, de qualquer parte do mundo, poderá sentir o prazer de visitar a Coleção de Instrumentos Musicais Tradicionais Emília Biancardi, sem precisar sair de casa. A viagem para conhecer o acervo é toda feita de modo virtual, através de um site na internet, onde o público vai passear pela exposição por meio de uma ferramenta de tour virtual, obtendo informações sobre os principais instrumentos, com acesso a fotos e vídeos. 

Para contar um pouco mais sobre esse projeto, acontecerá neste sábado (10), às 15h, um webinário, com direito a visita virtual guiada. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo e-mail contato@colecaoemiliabiancardi.com.br.

O portal pode ser acessado em português ou inglês e funciona ainda como um auto guia para aqueles que visitarem a exposição presencialmente. A plataforma é inovadora e pode ser acessada tanto em computadores quanto em celulares ou tablets. Acessando o endereço www.colecaoemiliabiancardi.com.br é possível conhecer um pouco mais da capacidade criativa do homem através de seus instrumentos musicais. O acesso é gratuito e por tempo indeterminado.

Em permanente exposição no Centro Cultural Solar Ferrão, no Pelourinho, desde 2015, a Coleção de Instrumentos Musicais Tradicionais Emília Biancardi apresenta parte de um acervo com mais de mil peças coletadas e recriadas nos cinco continentes, com destaque especial para os instrumentos indígenas brasileiros, além dos africanos e afro-brasileiros, colecionados ao longo de mais de 40 anos pela etnomusicóloga e pesquisadora baiana que dá nome à coleção.

Doada ao Estado da Bahia em 2011, a exposição é uma das mais expressivas que se têm notícia, sobretudo no que se refere à memória dos índios brasileiros. “Aqui encontraremos um pouco da diversidade e legado cultural dos grupos formadores de nossa cultura, por meio dos instrumentos musicais e de sua musicalidade”, disse a etnomusicóloga.
Entre os principais instrumentos temos as máscaras que tocam, usadas pelos índios em algumas de suas atividades, entre elas a dança. São enfeitadas com objetos que produzem barulho, além dos adornos de penas e fibras. Dos índios Caiapós, do Amazonas.
O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI) (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Programa Aldir Blanc Bahia – Criado para a efetivação das ações emergenciais de apoio ao setor cultural, o Programa Aldir Blanc Bahia (PABB) visa cumprir os incisos I e III da Lei Aldir Blanc (Lei Federal nº 14.017, de 29 de junho de 2020) e suas regulamentações federal e estadual. As ações são: a transferência da renda emergencial para os trabalhadores e trabalhadoras da cultura, e a realização de chamadas públicas e concessão de prêmios. O PABB tem execução pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, geridas por meio da Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura e do Centro de Culturas Populares e Identitárias; e as suas unidades vinculadas: Fundação Cultural do Estado da Bahia, Fundação Pedro Calmon, Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural.    

Serviço:

O quê: Webinário de lançamento do portal de passeio virtual pela Coleção de Instrumentos Musicais Tradicionais Emília Biancardi

Quando: 10 de abril (sábado),  às 15h

Onde: Site http://colecaoemiliabiancardi.com.br/

Inscrição no webinário: pelo e-mail contato@colecaoemiliabiancardi.com.br

Publicado em 1