Museu Tempostal apresenta o filme ‘O Palhaço’

card_opalhaco@300x-100

O filme ‘O Palhaço’ – filme brasileiro de 2011 dirigido, co-escrito e estrelado por Selton Mello – será o próximo apresentado, às 14h do dia 20/02, no projeto ‘Tem Cine no Tempostal’ que o Museu Tempostal (Pelourinho) realiza nos meses de fevereiro e março. Este projeto faz parte da iniciativa ‘Circuito de Cinema nos Museus DIMUS’, da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Dimus/Ipac). Os filmes do ‘Tem Cine no Tempostal’ têm exibição gratuita e aberta para o público em geral, com total de 20 vagas. Mais informações pelo e-mail servicoeducativo.tempostal@gmail.com ou telefone (71) 3117-6383.

‘O Palhaço’ conta a história vivida pelo palhaço Benjamin (Selton Mello) e seu pai Valdemar (Paulo José) num circo mambembe durante os anos 70. Benjamin, então, decide viver como um funcionário comum e isto afeta todos ao seu redor e ele próprio. Outros filmes previstos: ‘O auto da compadecida’, dia 27/02; ‘Uma noite no museu’, dia 06/03; ‘Elementos secretos’, 13/03; ‘Malasarte e o duelo com a morte’, dia 20/03 e ‘Extraordinário’, 27/03.

‘O museu exibirá filmes  educativos, relacionados a vários temas, como história, cultura, identitários e referentes a memória cultural”, informa a coordenadora do museu, Luzia Ventura. “Esta ação faz parte do projeto ‘Circuito de Cinema nos Museus Dimus’ que está sendo realizado nos museus Udo Knoff, Tempostal, Centro Cultural Solar Ferrão e LabDimus – todos no Pelourinho. Esta é uma ação conjunta dos museus da Dimus/Ipac, como parte da programação de Verão”, explica.

“O Circuito de Cinema nos Museus DIMUS surge como um projeto experimental que leva a experiência do cinema ao museu.  Os filmes apresentados têm variados estilos e temáticas distintas que agradam a uma diversidade de público, sendo direcionadas a toda e qualquer pessoa que goste de uma boa sessão de cinema.  Ao final da projeção será aberto um diálogo com o público, quando os presentes serão convidados à troca de experiências e debate sobre o que foi visto”, explica Cristina Melo, coordenadora do LabDimus.

O Museu – O acervo do Museu Tempostal é composto por postais, estampas e fotografias, em sua maioria, procedentes da coleção de Antônio Marcelino do Nascimento. As peças, datadas do final do século XIX e meados do século XX, representam imagens de valor histórico, artístico e documental, não só da Bahia e do Brasil, mas também de diversos países do mundo, sobre as mais variadas temáticas. O Museu Tempostal integra os espaços administrados pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA).

Visitação: terça a sábado, das 13 às 17h

Entrada: grátis

Rua Gregório de Mattos, 33, Pelourinho – Salvador (BA)

(71) 3117-6383

Anúncios
Publicado em 1

Exposição ‘União entre os Povos’ em cartaz no Centro Cultural Solar Ferrão

UniãoftGeraldoMoniz (19)

Continua em cartaz, no Centro Cultural Solar Ferrão (Pelourinho), a exposição ‘União entre os Povos’ realizada pela Brahma Kumaris – movimento espiritual mundial dedicado à transformação pessoal e à renovação do mundo. A mostra – assinada por diversos artistas baianos, como Ray Vianna, Miku Multimídia, Aracides Limoeiro, Felipe Arcoverde e Ana Paula Paixão, entre outros – conta com 38 peças feitas a partir de material reciclado que chamam a atenção do público para a conscientização em reciclar e preservar o meio ambiente. Gratuita, a exposição segue com visitação até o final de março.

Uma das obras que ganham destaque na a mostra é a ‘Árvore da Humanidade’, assinada por Ray Viana, uma árvore de mais de 2 metros de altura, confeccionada com tubos e retalhos de papel. A mostra conta ainda com outras peças interativas, como: ‘O Eco da Vida’, ‘A Cabana do Silêncio’, os ambientes ‘Ser e Estar’ e ‘A Mesa da União’.

“Em tempos de tantas guerras, violência e desunião entre as nações, é imperativa a necessidade de promovermos a união entre os povos. Temas como cuidado com o meio ambiente, respeito entre as religiões, consciência do papel que cada ser exerce no mundo e na interação com a natureza, unidade entre diferentes culturas e a importância do silêncio para a transformação, são artisticamente abordados na exposição”, explica Goreth Dunningham, da Brahma Kumaris.

Sobre a Brahma Kumaris: Fundada na Índia em 1937, difundiu-se para mais de 110 países em todos os continentes e teve amplo impacto em muitos setores, como uma ONG internacional. Entretanto, seu verdadeiro compromisso é ajudar os indivíduos a transformarem sua perspectiva em relação ao mundo, de material para espiritual. Apoia a cultura de uma profunda consciência coletiva de paz e dignidade individual de cada ser.
No Brasil, as atividades da BK começaram em 1979, com sedes nas principais capitais e em cidades do interior. Em Salvador, a BK conta com 4 unidades, sendo uma delas um centro de retiros na região metropolitana.

Serviço: Exposição Interativa ‘União entre os povos’

Local: Centro Cultural Solar Ferrão (Rua Gregório de Mattos, 45, Pelourinho)

Período: até 30 de março

Mais informações: 3356-3900

Entrada gratuita

Visitação: de terça-feira a sábado, das 13h às 17h

O Centro Cultural Solar Ferrão é um espaço administrado pela Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), uma unidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA).

Publicado em 1

‘Minicurso de Ritmos Brasileiros’ chega ao fim ao ritmo de samba

minicurso_ritmosbrasileiros_udoknoff_01.02.18

Foi ao som de muito samba que o ‘Minicurso de Ritmos Brasileiros’ chegou ao fim na tarde de ontem (1), no Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica, no Pelourinho, Centro Histórico de Salvador. A iniciativa tem parceria com o LabDimus, ambos, unidades da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Dimus/IPAC). O projeto contou com três etapas (história, teoria rítmica e prática percussiva) dos ritmos: baião, xote, xaxado, pé de serra, vaquejada, samba, samba de roda, samba canção, bossa e samba enredo. Os participantes conheceram a história do samba e puderam ter contato direto com a prática percussiva desse famoso ritmo brasileiro criado no início do século XX.

minicurso_ritmosbrasileiros_udoknoff_01.02.183

“É importante trazer o curso para o museu que está ligado diretamente com a cultura e as manifestações culturais. Trabalhamos justamente em cima da cultura local e da memória e associar a música nesse trabalho dos músicos é essencial”, disse a museóloga Alana Alves, organizadora do curso. Para o professor do curso, Gabriel Dantas, o objetivo foi trazer um pouco da cultura baiana e brasileira para a comunidade do Pelourinho através do conhecimento da história dos ritmos nacionais. “É um curso que temos idealizado há muito tempo e através do museu conseguimos colocar em prática”, completou o professor.

“O Minicurso de Ritmos Brasileiros consiste na apresentação da história, teoria rítmica e prática percussiva dos ritmos: baião, xote, xaxado, pé de serra, vaquejada, samba, samba de roda, samba canção, bossa e samba enredo. O objetivo é popularizar a história dos ritmos apresentados com os instrumentos utilizados em cada um deles; dar acesso à prática percussiva e fomentar à prática musical”, explica a coordenadora do museu, Renata Alencar.

Para a sua realização, o minicurso contou com a participação dos egressos do 1° Emprego e colaboradores do museu e LabDimus: Carine Nascimento (multiinstrumentista e educadora musical), Gabriel Dantas (violinista, violonista, pesquisador na área de História da Música e educador musical) e Elizabeth Ladeia ( preparadora coral e educadora musical). Materiais utilizados: triângulo, zabumba, caxixi, agogô, pandeiro, tamborim, congas, caixa clara, bacurinha, surdo, violino, violão e ukulelê, lápis.

Em 22/01, o curso foi voltado para o forró, com história da música com Gabriel Dantas e prática percussiva com Carine Nascimento. Em 24/01 o forró foi apresentado em aula sobre teoria-ritmo com Elizabeth Ladeia e prática percussiva com Carine Nascimento. Em 31/01 foi a vez da história da música do samba, com Gabriel Dantas, e prática percussiva com Carine Nascimento. Em 01/02, teoria-ritmo com samba, com Elizabeth Ladeia e prática percussiva com Carine Nascimento. As aulas práticas e teóricas aconteceram no Museu Udo Knoff.

LabDimus – O Laboratório de Educação Digital: Museu, Arte e Cultura desenvolve atividades direcionadas às novas mídias digitais, propondo, executando e avaliando as oficinas que desenvolve. Buscando atividades com grupos escolares e público em geral, o LabDIMUS faz a interlocução entre as novas tecnologias e as coleções em exposição nos museus DIMUS. Com isso, pretende manter o intercâmbio com as instituições de ensino de forma interdisciplinar, contribuindo para a melhoria da educação formal a partir da promoção de oficinas de interesse de professores e estudantes. As atividades integram as diversas linguagens da comunicação: sonora, visual, impressa e audiovisual. Acesse o canal no YouTube e conheça mais sobre o LabDIMUS e os projetos: https://www.youtube.com/channel/UCfcfomV5RhMQgPYlfp6Z3TA. Endereço: Rua Gregório de Mattos, 39 – subsolo, Praça das Artes – Pelourinho, Salvador (BA). Contato: (71) 3116-6714.

O museu – O Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica (Pelourinho) dispõe de dois ambientes ocupados por materiais referentes à arte da cerâmica e do azulejo. A área inferior expõe as peças criadas pelo ceramista Udo Knoff – idealizador do museu -, além de proporcionar uma visão cronológica da existência do azulejo disposta do século XV ao XX, incluindo sua chegada ao Brasil, no século XVII. Já a sua área superior, exibe fotografias de prédios revestidos com azulejos confeccionados pela oficina de Udo Knoff, fruto de projetos de artistas renomados do estado da Bahia. Completam a exposição, objetos confeccionados nas oficinas desenvolvidas pelos museólogos da casa, que realizam atividades educacionais com o objetivo de se manter o desejo de Udo Knoff.  O espaço sediado no Pelourinho, em Salvador, integra a Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC) da Secretaria Estadual de Cultura (SecultBA). Visitação gratuita: terça a sábado das 13 às 17 horas. Endereço: Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho – Salvador (BA)/(71) 3117-6389.

Publicado em 1

Museus/DIMUS fecham quarta (7) e reabrem na quinta-feira (15)

carnaval.jpg

Em função do período de carnaval, os espaços museológicos da Diretoria de Museus (DIMUS, https://dimusbahia.wordpress.com) do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC) localizados no Centro Histórico de Salvador (Centro Cultural Solar Ferrão, Museu Tempostal e Museu Udo Knoff), em Salvador, e no interior do estado (Parque Histórico Castro Alves), fecham na próxima quarta-feira (7) e reabrem na quinta-feira (15), após a Quarta de Cinzas (CARDS anexos).

PHCA

No dia 15 de fevereiro, os Museus/DIMUS voltam a funcionar normalmente, sempre de terça-feira a sábado, das 13h às 17h. Somente o Parque Histórico Castro Alves, localizado em Cabaceiras do Paraguaçu, cerca de 170 km de Salvador fechará na quinta-feira (8), já que não está no circuito oficial do carnaval, reabrindo juntamente com os outros, no dia 15. Mais informações nos telefones de cada museu, encontrados no blog: https://dimusbahia.wordpress.com.

 

Publicado em 1

Exposição ‘União entre Povos’ fica aberta até 30 de março no Pelourinho

ExpoUniãoftGeraldoMoniz (10a)

No momento em que a xenofobia e o nacionalismo violento voltam a fazer parte do cotidiano de diversos países em pleno século XXI, nada mais apropriado do que refletir sobre a participação de cada um de nós nesse conturbado cenário internacional através de mensagens de cooperação, tolerância e amor. É disso que trata a mostra coletiva ‘União entre os Povos’ da Brahma Kumaris (BK), com obras artísticas e experiências sobre a temática em cartaz no Centro Cultural Solar Ferrão (Rua Gregório de Mattos, nº45), no Pelourinho, Centro Histórico de Salvador (CHS). A exposição fica aberta à visitação até 30 de março, sempre com entrada gratuita, de terça-feira a sábado, das 13h às 17h.

“Além da importância do tema para a atualidade, essa exposição traz ações reflexivas e interativas para o público, diferenciando-se das mostras tradicionais onde evita-se que visitantes possam manusear obras de arte”, explica a coordenadora da Diretoria de Museus (DIMUS) do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural, Fátima Santos. Segundo a coordenadora da BK/Pituba e da exposição, Goreth Dunningham, essa mostra vai além. “Algumas obras necessitam da colaboração do público na sua concepção, como a ‘Mesa dos Bons Votos’, onde os visitantes deixam mensagens positivas junto a um globo terrestre, ou no painel ‘O que você está pensando’ no qual o público fala das suas ideias negativas, positivas, úteis e inúteis para si e a humanidade”, relata.

ExpoUniãoftGeraldoMoniz (4)

OBRAS INTERATIVAS – “A nossa ideia é que as pessoas reflitam sobre si mesmas e sobre essa temática da união entre os povos. Propomos obras de artes interativas justamente para que o público se sinta parte do processo, de construção das obras e, ao mesmo tempo, de um mundo melhor para si e para a humanidade”, relata. Ela lembra que artistas premiados e conhecidos participam da mostra, como Ray Vianna, Miku Multimídia, Aracides Limoeiro, Felipe Arcoverde e Ana Paula Paixão, dentre outros. Goreth conta que exposição semelhante foi feita no Aeroporto Internacional de Recife, à convite da Infraero, nos meses de julho e agosto do ano passado. “Ao saber do tema e da proposta interativa, Fátima Santos da DIMUS nos convidou para trazer ação semelhante ao Centro Cultural Solar Ferrão, onde encontramos uma equipe muito dedicada e competente que abraçou a nossa iniciativa”, diz Goreth.

ExpoUniãoftGeraldoMoniz (7)

Durante a abertura da exposição ocorrida na última segunda-feira (22), visitantes fizeram questão de participar, como o gerente de engenharia, Renato Nicolau, 43 anos, que sentou na ‘Mesa dos Bons Votos’ deixando uma mensagem de paz para o mundo. “É muito importante a consciência e participação efetiva de cada um de nós para vivermos em harmonia e por isso registro esse depoimento aqui”, disse. Atualmente, a ‘Mesa’ que é também uma instalação artística já tem mais de 80 depoimentos de baianos e turistas que já passaram na exposição. “O fluxo de pessoas é intenso no Pelourinho, principalmente no verão”, explica Fátima Santos. De acordo com dados da área de turismo do governo estadual cerca de 70 navios chegam entre outubro e março no Porto de Salvador, tendo o Pelourinho como um dos principais destinos de visitação.

ExpoUniãoftGeraldoMoniz (9)

MEIO AMBIENTE – A exposição utiliza ainda material reciclado alertando para a necessidade da consciência participativa em reciclar e preservar o meio ambiente. Os visitantes podem percorrer os vários ambientes das duas salas da Galeria Ferrão e interagir em cada uma com as instalações artísticas, dentre elas, a ‘Árvore da Humanidade’, assinada por Ray Viana, ‘O Eco da Vida’, ‘A Cabana do Silêncio’, ‘Ser e Estar’ e ‘A Mesa da União’, dentre outras. São vídeos, poesias, lembretes, papéis e dezenas de outros materiais e formatos de comunicação. Goreth explica que a maior parte dos textos presentes na mostra já são de utilização da BK. “Trata-se de um movimento com mais de 80 anos de existência que, inclusive, tem museus em diversos países, como Índia, Inglaterra e Austrália, dentre outros”, diz Goreth.

ExpoUniãoftGeraldoMoniz (14)

O movimento já foi difundido por mais de 110 países, com sede em Mount Abu, na Índia, escritórios em Londres (Reino Unido), Moscou (Rússia), Nairóbi (Quênia), Nova York (EUA) e Sidney (Autrália). A BK promove meditação, a prática filosófica da Raja Yoga, retiros espirituais, iniciativas ambientais, projetos educativos, culturais e artísticos. Mais informações: www.brahmakumaris.org.br. Responsável por receber a exposição, a DIMUS está sediada em uma das mais importantes edificações do CHS, o Solar Ferrão, construção de seis pavimentos originária do século XVII, instalada no declive entre o Pelourinho e a Baixa dos Sapateiros, e tombada desde 1938 como Patrimônio Nacional pelo IPHAN/MinC. Acesse o blog da DIMUS: https://dimusbahia.wordpress.com. E o Facebook: Museus da Bahia.

Serviço: Exposição Interativa ‘União entre os povos’

Local: Centro Cultural Solar Ferrão (Rua Gregório de Mattos, 45, Pelourinho)

Período: Até 30 de março

Mais informações: 3356-3900

Entrada gratuita

Visitação: de terça-feira a sábado, das 13h às 17h

O Centro Cultural Solar Ferrão é um espaço administrado pela Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), uma unidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA).

Publicado em 1

Museu Tempostal inaugura o ‘Tem Cine no Tempostal’

card_postal

Dando continuidade ao projeto ‘Circuito de Cinema nos Museus DIMUS’, da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Dimus/Ipac), o  Museu Tempostal  (Pelourinho) apresentará filmes todas às terças-feiras, sempre às 14h, nos meses de fevereiro e março. Os filmes do ‘Tem Cine no Tempostal’ têm exibição gratuita e aberta para o público em geral, com total de 20 vagas. Mais informações pelo e-mail servicoeducativo.tempostal@gmail.com ou telefone (71) 3117-6383.

Filmes previstos: ‘Que mal fiz eu a Deus?’, dia 30/01; ‘O palhaço’, dia 20/02; ‘O auto da compadecida’, dia 27/02; ‘Uma noite no museu’, dia 06/03; ‘Elementos secretos’, 13/03; ‘Malasarte e o duelo com a morte’, dia 20/03 e ‘Extraordinário’, 27/03.

‘O museu exibirá filmes  educativos, relacionados a vários temas, como história, cultura, identitários e referentes a memória cultural”, informa a coordenadora do museu, Luzia Ventura. “Esta ação faz parte do projeto ‘Circuito de Cinema nos Museus Dimus’ que está sendo realizado nos museus Udo Knoff, Tempostal, Centro Cultural Solar Ferrão e LabDimus – todos no Pelourinho. Esta é uma ação conjunta dos museus da Dimus/Ipac, como parte da programação de Verão”, explica.

“O Circuito de Cinema nos Museus DIMUS surge como um projeto experimental que leva a experiência do cinema ao museu.  Os filmes apresentados têm variados estilos e temáticas distintas que agradam a uma diversidade de público, sendo direcionadas a toda e qualquer pessoa que goste de uma boa sessão de cinema.  Ao final da projeção será aberto um diálogo com o público, quando os presentes serão convidados à troca de experiências e debate sobre o que foi visto”, explica Cristina Melo, coordenadora do LabDimus.

O Museu – O acervo do Museu Tempostal é composto por postais, estampas e fotografias, em sua maioria, procedentes da coleção de Antônio Marcelino do Nascimento. As peças, datadas do final do século XIX e meados do século XX, representam imagens de valor histórico, artístico e documental, não só da Bahia e do Brasil, mas também de diversos países do mundo, sobre as mais variadas temáticas. O Museu Tempostal integra os espaços administrados pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA).

Visitação: terça a sábado, das 13 às 17h

Entrada: grátis

Rua Gregório de Mattos, 33, Pelourinho – Salvador (BA)

(71) 3117-6383

 

Publicado em 1

Museu Udo Knoff recebe primeira turma do ‘Minicurso de Ritmos Brasileiros’

curso_ritmo_brasileiros_22.01.18(6)

Uma parceria entre o Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica e o LabDimus – unidades da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Dimus/IPAC) localizadas no Pelourinho –, deu início na última segunda-feira (22) ao ‘Mini Curso de Ritmos Brasileiros’. Gratuito, o minicurso conta com três etapas (história da música, teoria musical e a prática percussiva) acontecendo ainda nos dias 24, 29 e 31/01, das 14 às 17h. Na ocasião, os participantes conheceram a história do forró e puderam ter contato direto com a prática percussiva desse famoso ritmo nordestino criado na década de 40.

curso_ritmo_brasileiros_22.01.18(7)

“É importante entender a cultura e conhecer as transformações que os ritmos passam ao longo da história. Acho interessante saber o por quê o forró chegou no estágio atual, de onde ele veio e todas as suas alterações. A essência do museu é mostrar a história de um modo geral e um curso como esse dentro do Museu Udo Knoff abordando a história da música acho completamente adequado ao espaço”, disse o funcionário público Nelson Sacramento, aluno do curso. Para a professora do curso, Carine Nascimento, o objetivo do curso é passar o conhecimento sobre os ritmos brasileiros antigos, revivendo histórias e trazendo oportunidades de amadurecimento do conhecimento e da prática musical. “O museu é lembrança e os ritmos brasileiros é cultura, trazer um curso como esse para o museu é uma interligação entre as artes”, completou a professora.

curso_ritmo_brasileiros_22.01.18(5)

“O Minicurso de Ritmos Brasileiros consiste na apresentação da história, teoria rítmica e prática percussiva dos ritmos: baião, xote, xaxado, pé de serra, vaquejada, samba, samba de roda, samba canção, bossa e samba enredo. O objetivo é popularizar a história dos ritmos apresentados com os instrumentos utilizados em cada um deles; dar acesso à prática percussiva e fomentar à prática musical”, explica a coordenadora do museu, Renata Alencar. Os interessados em participar (faixa etária a partir de 12 anos) ainda pode ser inscrever via e-mail: educativoudoknoff@gmail.com, presencialmente no museu ou através do contato (71) 3117-6389. O curso possui um limite de até 15 vagas e o participante pode trazer seu próprio instrumento, porém é opcional.

Para a sua realização, o minicurso conta com a participação dos egressos do 1° Emprego e colaboradores do museu e LabDimus: Carine Nascimento (multiinstrumentista e educadora musical), Gabriel Dantas (violinista, violonista, pesquisador na área de História da Música e educador musical) e Elizabeth Ladeia ( preparadora coral e educadora musical). Materiais utilizados: triângulo, zabumba, caxixi, agogô, pandeiro, tamborim, congas, caixa clara, bacurinha, surdo, violino, violão e ukulelê, lápis.

Em 22/01, o curso foi voltado para o forró, com história da música com Gabriel Dantas e prática percussiva com Carine Nascimento. Em 24/01 o forró será apresentado em aula sobre teoria-ritmo com Elizabeth Ladeia e prática percussiva com Carine Nascimento. Em 29/01 é a vez da história da música do samba, com Gabriel Dantas, e prática percussiva com Carine Nascimento. Em 31/01, teoria-ritmo com samba, com Elizabeth Ladeia e prática percussiva com Carine Nascimento. As aulas práticas e teóricas acontecem no Museu Udo Knoff.

LabDimus – O Laboratório de Educação Digital: Museu, Arte e Cultura desenvolve atividades direcionadas às novas mídias digitais, propondo, executando e avaliando as oficinas que desenvolve. Buscando atividades com grupos escolares e público em geral, o LabDIMUS faz a interlocução entre as novas tecnologias e as coleções em exposição nos museus DIMUS. Com isso, pretende manter o intercâmbio com as instituições de ensino de forma interdisciplinar, contribuindo para a melhoria da educação formal a partir da promoção de oficinas de interesse de professores e estudantes. As atividades integram as diversas linguagens da comunicação: sonora, visual, impressa e audiovisual. Acesse o canal no YouTube e conheça mais sobre o LabDIMUS e os projetos: https://www.youtube.com/channel/UCfcfomV5RhMQgPYlfp6Z3TA. Endereço: Rua Gregório de Mattos, 39 – subsolo, Praça das Artes – Pelourinho, Salvador (BA). Contato: (71) 3116-6714.

O museu – O Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica (Pelourinho) dispõe de dois ambientes ocupados por materiais referentes à arte da cerâmica e do azulejo. A área inferior expõe as peças criadas pelo ceramista Udo Knoff – idealizador do museu -, além de proporcionar uma visão cronológica da existência do azulejo disposta do século XV ao XX, incluindo sua chegada ao Brasil, no século XVII. Já a sua área superior, exibe fotografias de prédios revestidos com azulejos confeccionados pela oficina de Udo Knoff, fruto de projetos de artistas renomados do estado da Bahia. Completam a exposição, objetos confeccionados nas oficinas desenvolvidas pelos museólogos da casa, que realizam atividades educacionais com o objetivo de se manter o desejo de Udo Knoff.  O espaço sediado no Pelourinho, em Salvador, integra a Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC) da Secretaria Estadual de Cultura (SecultBA). Visitação gratuita: terça a sábado das 13 às 17 horas. Endereço: Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho – Salvador (BA)/(71) 3117-6389.

Publicado em 1

‘Luau sem Lua’ no Museu Udo Knoff

26907800_1567304450020473_1733407318049347777_n

Todas as últimas sextas-feiras dos meses de janeiro, fevereiro e março será realizado o projeto ‘Luau sem Lua’ no Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica. Com duração média de 1h30, o projeto é uma parceria entre o Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica e o LabDimus – unidades da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Dimus/IPAC) localizadas no Pelourinho.

“O projeto consiste em apresentações culturais na área verde do Udo Knoff, como forma de trazer o público para dentro do museu e transformar essa área em um ponto de encontro, popularizando e fomentando a visitação. Essas apresentações podem ser com os próprios colaboradores do museu e do LabDimus ou com parceiros, podendo ser grupos de dança, poesia, música, teatro e etc.”, explica a coordenadora do museu, Renata Alencar. Através da hashtag #VemProUdo será feito convite ao público a se aproximar do museu e fazer parte dessa atividade.

No dia 26/01, o ‘Luau sem Lua’ conta com a participação de Janaína Noblat. No segundo encontro, em 23/02, será a vez do Grupo Oxente Menina e convidados. Já em 30/03, o Grupo Oxente Menina será acompanhado do grupo formado no ‘Minicurso de Ritmos Brasileiros – outra parceria entre o Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica e o LabDimus que acontece em 22, 24, 29 e 31/01, das 14 às 17h, sendo as primeiras datas destinadas ao Forró e as duas finais ao Samba. As inscrições (faixa etária a partir de 12 anos) devem ser feitas via e-mail: educativoudoknoff@gmail.com ou contato através do (71) 3117-6389.

LabDimus – O Laboratório de Educação Digital: Museu, Arte e Cultura desenvolve atividades direcionadas às novas mídias digitais, propondo, executando e avaliando as oficinas que desenvolve. Buscando atividades com grupos escolares e público em geral, o LabDIMUS faz a interlocução entre as novas tecnologias e as coleções em exposição nos museus DIMUS. Com isso, pretende manter o intercâmbio com as instituições de ensino de forma interdisciplinar, contribuindo para a melhoria da educação formal a partir da promoção de oficinas de interesse de professores e estudantes. As atividades integram as diversas linguagens da comunicação: sonora, visual, impressa e audiovisual. Acesse o canal no YouTube e conheça mais sobre o LabDIMUS e os projetos: https://www.youtube.com/channel/UCfcfomV5RhMQgPYlfp6Z3TA. Endereço: Rua Gregório de Mattos, 39 – subsolo, Praça das Artes – Pelourinho, Salvador (BA). Contato: (71) 3116-6714.

O museu – O Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica (Pelourinho) dispõe de dois ambientes ocupados por materiais referentes à arte da cerâmica e do azulejo. A área inferior expõe as peças criadas pelo ceramista Udo Knoff – idealizador do museu – além de proporcionar uma visão cronológica da existência do azulejo disposta do século XV ao XX, incluindo sua chegada ao Brasil, no século XVII. Já a sua área superior, exibe fotografias de prédios revestidos com azulejos confeccionados pela oficina de Udo Knoff, fruto de projetos de artistas renomados do estado da Bahia. Completam a exposição, objetos confeccionados nas oficinas desenvolvidas pelos museólogos da casa, que realizam atividades educacionais com o objetivo de se manter o desejo de Udo Knoff.  O espaço sediado no Pelourinho, em Salvador, integra a Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC) da Secretaria Estadual de Cultura (SecultBA). Visitação gratuita: terça a sábado das 13 às 17 horas. Endereço: Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho – Salvador (BA)/(71) 3117-6389.

Publicado em 1