Museu Udo Knoff promove oficina em parceria com grupo de idosos do CRAS

O Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica (Pelourinho) promoveu em 11/05 a ‘Oficina de Estamparia’ com um grupo de idosos do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). A atividade teve orientação da professora de artesanato Rita Matos e, na ocasião, os participantes criaram uma composição de estamparia única e personalizada a partir dos modelos florais disponibilizados para o grupo.

O museu – O Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica (Pelourinho) dispõe de dois ambientes ocupados por materiais referentes à arte da cerâmica e do azulejo. A área inferior expõe as peças criadas pelo ceramista Udo Knoff – idealizador do museu -, além de proporcionar uma visão cronológica da existência do azulejo disposta do século XV ao XX, incluindo sua chegada ao Brasil, no século XVII. O museu integra os espaços administrados pela Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA). Visitação: terça a sábado, das 13 às 17 horas. Entrada: grátis. Endereço: Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho – Salvador (BA). Contato: (71) 3117-6389.

Anúncios
Publicado em 1

Coletivo Arte Marginal promove atividades na 16ª Semana de Museus com apoio da DIMUS

Exposição coletiva, performances e intervenções teatrais serão algumas das atividades realizadas através do projeto “Renascer das Artes: Musealizando” em 17 e 18/05 na Praça das Artes e na Casa de Teatro de Rua da Bahia – ambos localizados no Pelourinho. Promovido pelo Coletivo Arte Marginal em parceria com o Movimento de Teatro de Rua da Bahia, com apoio da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (DIMUS/IPAC), o projeto tem como objetivo tornar o espaço público em um lugar de memória, educação e práticas culturais.

A personagem Musa da Guiné com o estandarte do Grupo A Pombagem

Foto: Hércules Bressy

Como parte das atividades, em 17/05 às 14h, a Praça das Artes receberá a mostra coletiva “O Museu é a Rua” com curadoria de Manuela Ribeiro. A exposição possibilitará o contato do público com a poética marginal e visual de Melissa Santos, Marie Thauront e a performance de grafite de Ludmila Laísa. Na ocasião, ainda serão expostos artesanatos, livros e produtos culturais, além das apresentações dos grupos Os Kaborongas, Caravana de Téspis, Bando Orí, Duo Dança e Percussão, Boiada Multicor e Grupo Teatral Ayá.

Espetáculo O Museu é a Rua do Grupo A Pombagem

Foto: Hércules Bressy

Dando continuidade ao projeto, em 18/05 às 14h, a Casa do Teatro de Rua da Bahia receberá a roda de conversa “Museus, poesia e teatro de rua: possíveis diálogos”. O bate-papo será mediado pelo poeta Fabricio Britto e contará com a participação das museólogas Alana Silva, Vanusa Ribeiro e Manuela Ribeiro. Na ocasião, também será realizada um recital de poesias, além de música ao vivo com o artista Edilson Bispo. A atividade contará com a presença de estudantes de escolas públicas do Centro Histórico Antigo de Salvador.

Coletivo arte marginal (2)

Foto: Hércules Bressy

O projeto – De acordo com Manuela Ribeiro, o projeto é uma atividade de artes integradas que proporciona uma experiência museal fora do museu convencional. “O ‘Renascer das Artes: Musealizando’ é um projeto de arte-educação museal cuja característica principal é musealizar as práticas culturais de segmentos marginalizados da sociedade, atraindo novos públicos e, assim, diminuindo a distância entre museu e a sociedade.”, completa.

 Estas atividades fazem parte da programação da 16ª Semana de Museus que acontece de 14 a 20 de maio – evento cultural do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) com o tema “Museus Hiperconectados – novas abordagens, novos públicos”. Em Salvador, o Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica, o Museu Tempostal, o Centro Cultural Solar Ferrão e o Laboratório de Educação Digital (LabDimus) – localizados no Pelourinho – participam em parceria com o Consulado Geral do Japão no Recife e a Associação Cultural Nippo-Brasileira em Salvador (ANISA) celebrando os “110 anos da Imigração Japonesa no Brasil”. O Parque Histórico Castro Alves (PHCA), localizado onde o poeta nasceu (Cabaceiras do Paraguaçu, no Recôncavo baiano) também participa. A Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC) é uma unidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). Confira a programação completa das unidades Dimus/Ipac no blog: https://dimusbahia.wordpress.com/16a-semana-de-museus/ .

Serviço: Projeto ‘Renascer das Artes: Musealizando’

Data: 17/05, 14h

Local: Praça das Artes – Rua Gregório de Mattos, 39 – subsolo, Praça das Artes – Pelourinho, Salvador (BA).

Data: 18/05, 14h

Local: Casa de Teatro de Rua da Bahia –  Rua Inácio Accioli, n° 25 – Pelourinho, Salvador (BA).

 Apoio: A Pombagem, UNIRAAM, Indigo Blue, Grupo Teatral Ayá, IPAC, FUNCEB

Parceria: Movimento de Teatro de Rua da Bahia

Mais informações: Coletivo Arte Marginal Salvador – 71 993534993 / 991112139

Visitação gratuita

Publicado em 1

LabDimus promove workshop de fotografia em parceria com estudantes do Colégio Noêmia Rêgo

O Laboratório de Educação Digital: Museu, Arte e Cultura (LabDimus) promoveu em 04/05 o ‘Workshop de Fotografia Tons do Pelourinho’ em parceria com 22 estudantes do Colégio Estadual Professora Noêmia Rêgo (Valéria). Na ocasião, os alunos utilizaram filtros analógicos confeccionados durante o workshop para fazer imagens criativas. A atividade teve como objetivo desenvolver o olhar crítico através do senso estético, estimulando a expressividade e a criatividade na produção artística, trabalhando a socialização.

Com orientação da professora Jussara Vilela, o workshop contou com aula prática e teórica onde foi apresentada a história e as técnicas da fotografia. Na aula prática, os alunos efetuaram um passeio no Pelourinho acompanhados dos professores. O objetivo foi registrar objetos através do olhar individual sobre o próprio equipamento.

“O workshop foi muito interativo porque tive a oportunidade de conhecer um pouco mais da cidade onde moro. Durante o passeio, fotografei os casarões antigos e as igrejas do Pelourinho com um dos filtros confeccionados. Foi uma atividade muito produtiva, gostaria muito que acontecesse mais vezes”, disse a estudante Viviane Souza.

Para a professora Jussara Vilela, o workshop foi uma experiência marcante para os alunos do Noêmia Rego. “Foi uma atividade muito rica e importante. O workshop permitiu os alunos relacionarem o que eles aprenderam na sala de aula de uma forma prática, favorecendo uma compreensão crítica e reflexiva”, completa.

O LabDimus – O LabDimus (Laboratório de Educação Digital: Museu, Arte e Cultura) desenvolve atividades direcionadas às novas mídias digitais, propondo, executando e avaliando as oficinas que desenvolve. Buscando atividades com grupos escolares e público em geral, o LabDimus faz a interlocução entre as novas tecnologias e as coleções em exposição nos museus Dimus. Com isso, pretende manter o intercâmbio com as instituições de ensino de forma interdisciplinar, contribuindo para a melhoria da educação formal a partir da promoção de oficinas de interesse de professores e estudantes. As atividades integram as diversas linguagens da comunicação: sonora, visual, impressa e audiovisual. O LabDimus integra a Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), unidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA).

Publicado em 1

Oficina de Biscuit no Museu Udo Knoff em 14/05

Confira as fotos da Oficina de Biscuit para construção de personagens de animês com o artista plástico Gleidson Lima realizada hoje (14/05), das 9h30 às 11h30.

 

Alunos da Escola Azevedo Fernandes confeccionaram a Kokeshi – bonequinha tradicional japonesa feita no norte do país em madeira.

 

A atividade faz parte da programação do Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica na 16ª Semana de Museus.

 

Publicado em 1

“O Japão na coleção do Museu Tempostal e acervo do Consulado Geral do Japão no Recife” na 16ª Semana de Museus

32150021_2019624711400721_1882878044402614272_n

“O Japão na coleção do Museu Tempostal e acervo do Consulado Geral do Japão no Recife” é o nome da exposição que o Museu Tempostal realiza para 16ª Semana de Museus da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC). A mostra, que tem sua abertura em 14/05, às 14h, fica em cartaz no museu (localizado no Pelourinho) até 31/08.

A exposição reúne 100 postais japoneses da coleção de Antônio Marcelino do Nascimento – idealizador do museu. Distribuídos em painéis temáticos, os postais (alguns com 100 anos) destacam o Japão antigo, seu patrimônio cultural e natural, lazer, vida cotidiana, processo de modernização e contemporaneidade. O Consulado Geral do Japão no Recife expõe, do seu acervo, 40 postais contemporâneos do Japão antigo e moderno, além de cartaz – material que será doado. Já a  Associação Cultural Nippo-Brasileira de Salvador (ANISA), através da Escola de Língua Japonesa, participa com a coleção de 15 bonecos que são símbolos do Hina Matsuri, usando trajes da Corte Imperial durante o Período Heian (794-1192).

De acordo com a coordenadora do museu, Luzia Ventura, os primeiros cartões postais japoneses foram introduzidos no Japão durante final do século 19, junto com selos postais, no contexto de modernização e ocidentalização japonesa, conhecido como “Revolução Meiji”. Alguns postais dessa exposição possuem datas de edição, dentro desse período (a partir de 1905) e outros com data até a década de 1970 chegando aos dias atuais. “É a primeira vez que esse acervo é exposto. É muito importante retratar a cultura das grandes potências mundiais para a sociedade, reforçando outros conhecimentos e influências culturais”, completa.

Um pouco de História

O fim do período Edo deu espaço para um intenso projeto de modernização e abertura para o exterior durante a Restauração Meiji (1868 – 1912). Desde novembro de 1895, Brasil e Japão preparavam a vinda de imigrantes, quando assinaram em Paris o Tratado de Amizade, Comércio e Navegação. Essa imigração teve início oficialmente em 18 de junho de 1908, quando o navio Kasato Maru partindo de Kobe aportou em São Paulo, trazendo 781 lavradores para as fazendas do interior paulista. Atualmente estima-se que haja mais de um milhão de nipo-brasileiros, cuja maioria reside nos estados e São Paulo e do Paraná.

Entre 1953 e 1962, foram criadas pelo governo brasileiro três colônias japonesas na Bahia para povoar e desenvolver áreas improdutivas e praticamente abandonadas: Una, Ituberá e Núcleo Colonial Juscelino Kubitschek no município de Mata de São João.

 O Japão possui uma história que remota ao século 7º a.C.. Viveu longos períodos de isolamento e existência feudal o que gerou uma cultura homogênea. Já em 1912, quatro anos depois da chegada dos imigrantes pioneiros ao Brasil, teve início o reinado do imperador Taisho e, na década de 20, eram facções nacionalistas as que ditavam rumos políticos.

 Com a morte de Taisho, em 1926, Hiroíto (1901 – 1989) – o 124º herdeiro em linhagem direta do trono – tornou-se o imperador e, escolhendo para o seu reinado o nome de Shows (ou “Paz Esclarecida”), viu o país mergulhar na Segunda Guerra Mundial (1939-45). Mesmo derrotado, era tão forte que escapou da destituição. O país e suas instituições milenares foram reconstruídos sem deixar de cultivar jardins e tradições.

 O “país do sol nascente” é um arquipélago montanhoso com poucas terras agricultáveis. Desenvolveu uma forte indústria pesqueira e tornou-se fabricante e exportador de carros, máquinas pesadas e produtos eletrônicos. Segunda maior potência econômica do mundo, depois dos Estados Unidos.

16ª Semana de Museus – De 14 a 20 de maio acontece a 16ª Semana de Museus, evento cultural do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) em comemoração ao Dia Internacional de Museus, 18 de maio. O tema escolhido para esta edição, e que deverá ser abordado pelos museus participantes num total de 1.130 em todo país, é “Museus Hiperconectados – novas abordagens, novos públicos”. Em Salvador, o Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica, o Museu Tempostal, o Centro Cultural Solar Ferrão e o Laboratório de Educação Digital (LabDimus) – localizados no Pelourinho – participam em parceria com o Consulado Geral do Japão no Recife e a Associação Cultural Nippo-Brasileira em Salvador (ANISA) celebrando os “110 anos da Imigração Japonesa no Brasil”. O Parque Histórico Castro Alves (PHCA), localizado onde o poeta nasceu (Cabaceiras do Paraguaçu, no Recôncavo baiano) também participa. A Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC) é uma unidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). Confira a programação completa das unidades Dimus/Ipac no blog: https://dimusbahia.wordpress.com/16a-semana-de-museus/ .

Museu Tempostal – O acervo do Museu Tempostal é composto por postais, estampas e fotografias, em sua maioria, procedentes da coleção de Antônio Marcelino do Nascimento. As peças, datadas do final do século XIX e meados do século XX, representam imagens de valor histórico, artístico e documental, não só da Bahia e do Brasil, mas também de diversos países do mundo, sobre as mais variadas temáticas. O Museu Tempostal integra os espaços administrados pela Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA). Visitação: terça a sábado, das 13h às 17h. Entrada: grátis. Endereço: Rua Gregório de Mattos, 33, Pelourinho – Salvador (BA). Contato: (71) 3117-6383.

Publicado em 1

Exposição “JAPOP”: A Cultura Pop Japonesa no Museu Udo Knoff”

32262785_2019663478063511_4503344072521416704_n

Vários são os elementos da cultura do Japão que influenciaram e ainda influenciam a cultura brasileira e, para homenageá-los, o Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica (Pelourinho) realiza a mostra coletiva “JAPOP: a cultura pop japonesa no Museu Udo Knoff” durante a 16ª Semana de Museus que acontece de 14 a 20 de maio. Durante a semana, serão realizadas diversas atividades (veja programação abaixo) que fazem parte da 16ª Semana de Museus da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC) que, em parceria com o Consulado Geral do Japão no Recife e a Associação Cultural Nippo-Brasileira de Salvador (ANISA), celebra os “110 anos da Imigração Japonesa no Brasil”.

exposição de cerâmica fria_Artista Gleidson Lima (3)

A mostra é fruto da parceria com o artista plástico Gleidson Lima, os estudantes da Escola Estadual Azevedo Fernandes e a ANISA.  Reúne 20 obras de personagens de animês confeccionadas em porcelana fria (ou biscuit) pelo artista plástico Gleidson Lima. “São obras tridimensionais que buscam, de uma maneira original e única, trazer materialidade a esses personagens que dentro da cultura pop japonesa se assemelham aos Gashapon (figuras de ação japonesa), que são altamente colecionadas no Japão”, explica o artista.

oficina poesia haikai em vasos_museu udo knoff (3)m

Os estudantes da Escola Estadual Azevedo Fernandes participam com os resultados dos trabalhos produzidos na unidade escolar, onde os professores pesquisaram e trabalharam elementos sobre a cultura do Japão. Foram realizadas oficinas com a professora de Língua Portuguesa, Adriana Santana, para a produção de poesias HAIKAI – que é uma das formas poéticas de origem nipônica, que valoriza a concisão e a objetividade. Esses poemas foram registrados em pinturas e estampas da cultura japonesa em vasos de cerâmica popular da Bahia nas oficinas do Ateliê de Criação do Museu Udo Knoff.

“Pode-se dizer que é a arte de dizer o máximo com o mínimo de palavras. Expressão que capta um momento de experiência, um instante em que o simples subitamente revela a sua natureza interior e nos faz olhar de novo o observado, a natureza humana, a vida. Assim, o encanto dos poemas japoneses revelarão os pensamentos e os sentimentos dos ‘jovens do Pelô’”, informa Renata Alencar, coordenadora do Museu Udo Knoff.

Complementando a exposição, a ANISA ofereceu como empréstimo 05 quadros com estampas típicas da cultura pop japonesa para compor e enriquecer a mostra, uma vez que esta é voltada para o público jovem, alvo dessas atividades. “Sabe-se que todo evento de memória é voltado para registrar e preservar elementos da cultura do passado, mas não podemos esquecer que é na juventude que está depositada a esperança da manutenção e transformação dos elementos dos antepassados tão presentes nesta exposição”, analisa a coordenadora do museu.

Além da mostra, o Udo Knoff promove uma série de atividades gratuitas. Em 14/05, uma Oficina de Biscuit para construção de personagens de animês com o artista plástico Gleidson Lima, das 9h30 às 11h30. Em 16/05, acontece a Oficina de Mosaico – estampas da cultura japonesa, das 15h às 17h. Na quinta, 17/05, a Oficina de Estamparia – com estampas da cultura japonesa na técnica de xilogravura, das 9h às 11h30. E em 18/05, das 14h40 às 17h, uma tarde com bate-papo com cosplayers sobre a estamparia pop japonesa – a cultura tradicional e suas influências no presente; bate-papo com o Grupo KPopers baiano (com performance); “Desfile” apresentação dos cosplayers ; e apresentação dos temas musicais dos animês com o Grupo POEMUSIK – e som mecânico.

Arte japonesa – Inegáveis são as contribuições da colônia japonesa no campo das artes brasileira onde os nippo-brasileiros se desenvolveram notoriamente, seja nas artes ceramistas, nas artes plásticas, no trabalho dos artesãos, seja na fotografia. O que importa é que chegaram ao Brasil trazendo novidades nas concepções estéticas que ajudaram a compor e dar novo formato às artes plásticas brasileiras.

Nos últimos 20 anos, verificou-se um crescente interesse por tudo aquilo que representasse ou significasse “Japão” no mundo inteiro. Antes um assunto tratado por poucos pesquisadores, reservado ao meio acadêmico, a cultura japonesa agora é um fenômeno pop, que influencia criadores das mais diversas áreas das artes, do entretenimento e da moda. Jovens curtem mangás e animês, filmes de monstros gigantes, que cantam em karaokês músicas contemporâneas japonesas, e que agem e se vestem de acordo com hábitos e tendências adotadas pelos jovens do outro lado do planeta. Mais do que exótico, o Japão hoje é sinônimo de algo legal, cool e fashion. É fascinante o passeio por várias formas da cultura popular industrializada japonesa que possui a incomum característica de unir conceitos opostos, sendo ao mesmo tempo moderna e tradicionalista.

Sobre o Artista: Gleidson Lima é um artista que usa a matéria-prima da porcelana fria, também conhecida como biscuit, para produzir diversas obras tridimensionais. Atualmente seu foco de trabalho são releituras de personagens da cultura pop, incluindo os personagens da cultura pop japonesa.  Apresentou seu trabalho com essa temática com mais intensidade a partir do 11º Festival de Cultura Japonesa – Bon Odori de Salvador quando levou sua arte de porcelana fria apresentando suas releituras que lembram os colecionáveis nomeados de Gashapon (figuras de ação japonesa). Desde então vem apresentando sua arte em diversos eventos ligados a cultura pop de Salvador e outras cidades da Bahia. Contato: Face: https://www.facebook.com/gueu.lima.18 / Celular: 99256-3608.

16ª Semana de Museus – De 14 a 20 de maio acontece a 16ª Semana de Museus, evento cultural do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) em comemoração ao Dia Internacional de Museus, 18 de maio. O tema escolhido para esta edição, e que deverá ser abordado pelos museus participantes num total de 1.130 em todo país, é “Museus Hiperconectados – novas abordagens, novos públicos”. Em Salvador, o Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica, o Museu Tempostal, o Centro Cultural Solar Ferrão e o Laboratório de Educação Digital (LabDimus) – localizados no Pelourinho – participam em parceria com o Consulado Geral do Japão no Recife e a Associação Cultural Nippo-Brasileira em Salvador (ANISA) celebrando os “110 anos da Imigração Japonesa no Brasil”. A Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC)  é uma unidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). Confira a programação completa das unidades Dimus/Ipac no blog: https://dimusbahia.wordpress.com/16a-semana-de-museus/ .

PROGRAMAÇÃO SEMANA – UDO KNOFF

“JAPOP: a cultura pop japonesa no Museu Udo Knoff” – exposição temporária de peças de cerâmica fria da cultura pop japonesa (Animês e Mangá) e exposição de poesias Haikai em vasos de cerâmica e azulejos (participação do Colégio Azevedo Fernandes)

Período: de 15 a 19 de maio de 2018. Terça a sexta, das 10h às 17h e sábado, das 13h às 17h

Data: 14 de maio de 2018 (segunda-feira)

Oficina de biscuit para construção de personagens de animês com o artista plástico Gleidson Lima – 9h30 às 11h30

Data: 16 de maio de 2018 (quarta-feira)

Oficina de Mosaico – estampas da cultura japonesa – 15h às 17h

Data: 17 de maio de 2018 (quinta-feira)

Oficina de Estamparia – com estampas da cultura japonesa na técnica de xilogravura – 9h às 11h30

Data: 18 de maio de 2018 (sexta-feira) – 14h30 às 17h.

  • Bate-Papo com Cosplayers sobre a estamparia pop japonesa – a cultura tradicional e suas influências no presente;
  • Bate-papo com o Grupo KPopers baiano (com performance);
  • “Desfile” apresentação dos Cosplayers;
  • Apresentação dos temas musicais dos animês com o Grupo POEMUSIK – e som mecânico.

MUSEU UDO KNOFF DE AZULEJARIA E CERÂMICA – O Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica (Pelourinho) dispõe de dois ambientes ocupados por materiais referentes à arte da cerâmica e do azulejo. A área inferior expõe as peças criadas pelo ceramista Udo Knoff – idealizador do museu -, além de proporcionar uma visão cronológica da existência do azulejo disposta do século XV ao XX, incluindo sua chegada ao Brasil, no século XVII. O museu integra os espaços administrados pela Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA). Visitação: terça a sábado, das 13 às 17 horas. Entrada: grátis. Endereço: Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho – Salvador (BA). Contato: (71) 3117-6389.

 

Publicado em 1

Instrumentos musicais japoneses e oficinas na 16ª Semana de Museus no Solar Ferrão

solar ferrao SDM 2018

Dentro das comemorações da 16ª Semana de Museus, o Centro Cultural Solar Ferrão e o Laboratório de Educação Digital (LabDimus), localizados no Pelourinho, realizam exposições e oficinas gratuitas. Destaque para a exposição “Instrumentos Musicais Japoneses na Coleção de Emília Biancardi” e a “Mostra da Oficina de Mangá – LabDimus”. Estas exposições temporárias ficam de 14 a 20 de maio, período da 16ª Semana de Museus que tem como tema “Museus Hiperconectados – novas abordagens, novos públicos”.

 A exposição “Instrumentos Musicais Japoneses na Coleção de Emília Biancardi” foi feita a partir da “Coleção de Instrumentos Musicais Tradicionais Emília Biancardi” e apresenta uma mostra de instrumentos étnicos de origem japonesa. São artefatos de cordas, percussão e sopro que compõem a herança musical do Japão. Entre os instrumentos, destaque para o tambor “San-no-Tsumi” que, com sua diversidade, está presente na história da música japonesa há mais de mil anos. Já o “Gongo de Conclamação” é um instrumento cerimonial utilizado nos eventos religiosos do Japão. A mostra traz ainda o “Sino do Vento” ou “Sino da Sorte” que é um instrumento de percussão usado no Oriente para afastar maus espíritos ou trazer sorte. Passou a ser utilizado na música ocidental por sua sonoridade suave.

“Com este recorte, busca-se dar evidência à contribuição japonesa expandida além do território asiático, no ano em que se comemora os 110 Anos da Imigração Japonesa no Brasil. Assim, promove-se um diálogo intercultural onde a hiperconectividade, tema desta edição da Semana de Museus, está presente comunicando, compartilhando e convergindo para uma forma coletiva de usufruir o fenômeno cultural que se originou entre  Brasil e Japão, a partir de 1908, com a chegada do navio Kasato Maru trazendo 165 famílias japonesas”, explica Graça Lobo, coordenadora do Solar Ferrão

Emília Biancardi é etnomusicóloga e empreendeu importantes pesquisas em busca de entender a experiência humana na criação de sons, coletando, criando e recriando instrumentos musicais. A coleção apresentando um acervo com mais de mil peças coletadas e recriadas nos cinco continentes, com destaque especial para os instrumentos musicais indígenas brasileiros, além dos africanos e afro-brasileiros.

A “Mostra da Oficina de Mangá – LabDimus” é uma parceira com estudantes do Colégio Estadual Azevedo Fernandes (Pelourinho) e o resultado da oficina finalizada em 23/04 com orientação da professora Adriana Santana.  Durante as aulas, os estudantes contextualizaram a história, definiram o nome dos personagens, criaram os esboços dos desenhos com suas características individuais: cabelo, vestimenta e traços étnicos, para então criarem os diálogos, definindo aspectos como temperamento e história pessoal de cada personagem. “O objetivo da atividade foi apresentar novas possibilidades de aprendizagem sobre outras culturas através da história e a memória, além de orientações técnicas sobre a criação de história em quadrinhos (HQ’s), estabelecendo a interlocução entre as novas tecnologias e os conteúdos trabalhados pelos professores”, informa a coordenadora do LabDimus, Cristina Melo.

 Além da exposição temporária, o Solar Ferrão e o LabDimus promovem algumas atividades temáticas. Em 16/05 acontece a Oficina de Artes Marciais, das 10h às 11h30. Dia 17/05, a Oficina de Origami das 15h às 17h30. E dia 18/05 a Oficina de Escultura em Biscuit, das 15h às 17h30.

 16ª Semana de Museus – De 14 a 20 de maio acontece a 16ª Semana de Museus, evento cultural do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) em comemoração ao Dia Internacional de Museus, 18 de maio. O tema escolhido para esta edição, e que deverá ser abordado pelos museus participantes num total de 1.130 em todo país, é “Museus Hiperconectados – novas abordagens, novos públicos”. Em Salvador, o Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica, o Museu Tempostal, o Centro Cultural Solar Ferrão e o Laboratório de Educação Digital (LabDimus) – localizados no Pelourinho – participam em parceria com o Consulado Geral do Japão no Recife e a Associação Cultural Nippo-Brasileira em Salvador (ANISA) celebrando os “110 anos da Imigração Japonesa no Brasil”. O Parque Histórico Castro Alves (PHCA), localizado onde o poeta nasceu (Cabaceiras do Paraguaçu, no Recôncavo baiano) também participa. A Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC) é uma unidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). Confira a programação completa das unidades Dimus/Ipac no blog: https://dimusbahia.wordpress.com/16a-semana-de-museus/ .

 PROGRAMAÇÃO SEMANA – SOLAR FERRÃO/ LABDIMUS

 Exposição Temporária: Instrumentos Musicais Japoneses na Coleção de Emília Biancardi;

Mostra da Oficina de Mangá – LabDIMUS.

Período: de 15 a 19 de maio de 2018. Terça a sexta, das 10h às 17h e sábado, das 13h às 17h.

Data: 16 de maio de 2018 (quarta-feira) – Oficina de Artes Marciais – 10h às 11h30

Data: 17 de maio de 2018 (quinta-feira) – Oficina de Origami – 15h às 17h30

Data: 18 de maio de 2018 (sexta-feira) – Oficina de Escultura em biscuit – 15h às 17h30

CENTRO CULTURAL SOLAR FERRÃO – Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), o casarão construído entre o fim do século XVII e início do XVIII possui seis andares e abriga a Galeria Solar Ferrão, o Museu Abelardo Rodrigues e quatro coleções: a coleção de Arte Popular (ampliada pela arquiteta Lina Bo Bardi) que reúne peças representativas da cultura popular do Nordeste coletadas entre as décadas de 50 e 60; a Coleção de Arte Africana Claudio Masella, que mostra a riqueza estética e a diversidade da produção cultural africana do século XX; a Coleção de Instrumentos Musicais Walter Smetak, suíço que marcou a história da música brasileira, influenciando movimentos como a Tropicália; e a Coleção de Instrumentos Musicais Tradicionais Emília Biancardi. O Solar Ferrão integra os espaços administrados pela Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA). Visitação: terça a sábado, das 13h às 17h. Entrada: grátis. Endereço: Rua Gregório de Mattos, 45 – Pelourinho, Salvador (BA). Contato: (71) 3116- 6743.

O LabDimus (Laboratório de Educação Digital: Museu, Arte e Cultura) desenvolve atividades direcionadas às novas mídias digitais, propondo, executando e avaliando as oficinas que desenvolve. Buscando atividades com grupos escolares e público em geral, o LabDimus faz a interlocução entre as novas tecnologias e as coleções em exposição nos museus DIMUS. Com isso, pretende manter o intercâmbio com as instituições de ensino de forma interdisciplinar, contribuindo para a melhoria da educação formal. As atividades integram as diversas linguagens da comunicação: sonora, visual, impressa e audiovisual. Acesse o canal no YouTube e conheça mais sobre o LabDimus: https://www.youtube.com/channel/UCfcfomV5RhMQgPYlfp6Z3TA. O LabDimus integra a Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), unidade vinculada a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). Endereço: Centro Cultural Solar Ferrão – Pelourinho, Salvador (BA). Contato: (71) 3116-6714.

Publicado em 1