Museus do IPAC terão seus horários alterados durante Copa das Confederações

A exposição Tupy Todos os Dias será inaugurada nesta quinta. Foto: Lara Carvalho

A exposição Tupy Todos os Dias será inaugurada nesta quinta. Foto: Lara Carvalho

Por conta da realização da Copa das Confederações até o dia 30 de junho, dos festejos juninos e do feriado do dia 2 de julho, os museus vinculados ao Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC) terão seus dias e horários de funcionamento modificados durante este período. Nesta quarta, 19 de junho, Solar Ferrão, Museu Abelardo Rodrigues, Museu Tempostal e Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica estarão abertos das 12h às 15h. O Museu de Arte Moderna da Bahia, o Museu de Arte da Bahia e o Palacete das Artes funcionarão das 13h às 15h. O Parque Histórico Castro Alves receberá visitantes de 9h as 12h e das 14h às 15h.

Nos dias 20, 22, 23, 24 e 30 de junho e na terça-feira, 2 de julho, os museus estarão fechados. Somente o Museu de Arte Moderna da Bahia abrirá nesta quinta-feira (20), ocasião em que serão inauguradas as exposições Esquizópolis e Tupy Todos os Dias. Os espaços funcionarão normalmente na sexta-feira (21) e de 25 a 29 de junho. Museu de Arte Moderna da Bahia, Palacete das Artes e Museu de Arte da Bahia funcionam de terça a sexta, das 13h às 19h, e sábados, domingos e feriados, das 14h às 19h. Museu Tempostal, Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica, Museu Abelardo Rodrigues e Solar Ferrão ficam abertos à visitação de terça a sexta, das 12h às 18h, e sábados, domingos e feriados, das 12h às 17h. Já o Parque Histórico Castro Alves recebe visitantes de terça a sexta, das 9h às 12h e das 14h às 17h, e sábados, domingos e feriados, das 9h às 14h. Os espaços vinculados ao IPAC têm entrada gratuita.

Os eventos do Palacete das Artes e do Museu de Arte Moderna da Bahia que integram o projeto Cultura em Campo, da Secretaria de Cultura do Estado (Secult/BA), não serão afetados pelas mudanças, que envolvem somente seus espaços expositivos. No período da Copa das Confederações, o público pode participar de diversas atividades realizadas nos museus, a exemplo dos Projetos Cinema no Palacete e Trocando Palavras, no Palacete das Artes, e da mostra Jogando com a Imagem e do evento MAM-BA: Outras Sonoridades, no Museu de Arte Moderna da Bahia.

11ª Semana de Museus: Confira a programação desta sexta (17)

MAB promove visitas guiadas pela diretoria do museu Sylvia Athaide/Foto: Sérgio Benuti

MAB promove visita guiada pela diretora do museu Sylvia Athayde/Foto: Sérgio Benuti

Nesta sexta-feira (17), os espaços vinculados à Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (DIMUS/IPAC) realizam uma programação especial para a 11ª Semana de Museus. O Museu de Arte da Bahia (MAB) promove o projeto Visita Comentada, onde a diretora do museu, Sylvia Athayde, coordenará a visita ao acervo do museu, às 17h. O Museu Udo Knoff realiza o segundo dia de visita a instituições de ensino e beneficentes com a peça Faz de Conta que é Museu, das 10h às 11h. Já ação educativa Rubem Valentim para Crianças, que aconteceria nesta quinta (16), no Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA), foi adiada para esta sexta, no mesmo horário, das 15h às 17h. Na Praça Municipal de Salvador, acontece a 3ª Feira de Museus, que conta com a participação de 28 museus de diferentes territórios de identidade baianos.

O Parque Histórico ainda recebe, até sábado (18), a atividade Lembranças da Infância e o Palacete das Artes finaliza a Mostra de Filmes: Séries Viagens Arquitetônicas, exibindo o episódio “Itália” da produção, e a Oficina de Cerâmica Descobrindo a Argila nesta sexta (17). O MAB continua realizando a Oficina de Reciclagem até sexta (17) e o MAM-BA recebendo ação educativa Inter.Mediações até domingo (19).

Os visitantes também podem aproveitar para conhecer os espaços expositivos do Museu Tempostal, Museu Udo Knoff e Solar Ferrão, localizados no Centro Histórico, e do Museu de Arte Bahia, que funcionam com horário estendido durante o evento. Os museus Abelardo, Tempostal e Udo Knoff ficam abertos à visitação sexta (17), das 10h às 18h, e sábado (18) e domingo (19), das 10h às 17h. O MAB funciona de sexta (17) a domingo (18), das 10h às 19h. Confira a programação completa de todos os museus da Bahia para a 11ª Semana de Museus aqui.

3ª Feira de Museus da Bahia traz novidades para o público

Feira de Museus da Bahia - Praça Municipal Foto Lázaro Menezes (2)

Foto: Lázaro Menezes

No dia 17 de maio (sexta), entre 9h e 17h, 28 espaços museais de diferentes territórios de identidade do estado participam da 3ª Feira de Museus da Bahia, apresentando seus acervos e programas educativos na Praça Municipal de Salvador. Nesta edição, o evento promovido pela Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (DIMUS/IPAC) contará com uma diversificada programação que inclui um Atelier de Restauro, em que os visitantes terão a chance de conhecer as etapas do processo de conservação e restauração de obras, Espaço Expositivo e Espaço Educativo, onde serão realizadas ações destinadas ao público infanto-juvenil.

Ao longo do dia, crianças poderão se divertir e aprender com quatro atividades. O Museu de Arte Moderna da Bahia realiza a ação Museu, o que é?, que visa provocar reflexões e conversas com os participantes sobre este equipamento cultural. O Parque Histórico Castro Alves desenvolve a atividade Sopa de Letras, que consiste na narração de histórias infantis acompanhada de jogos e brincadeiras. O Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica organiza a Oficina de Releitura do acervo de Azulejaria de Udo Knoff, em que serão utilizados materiais recicláveis. Haverá ainda a apresentação do espetáculo de Teatro de Bonecos “A magia dos museus”.

A exposição Museus da Bahia: Identidade e Territórios, que apresenta o perfil dos museus vinculados à estrutura da DIMUS, os quatro espaços museais contemplados pelo programa de apoio a projetos de ações continuadas da Secretaria de Cultura do Estado e as 217 instituições museais mapeadas na Bahia, ficará aberta à visitação no Espaço Expositivo. Este ambiente oferece ainda jogos temáticos e vídeos sobre os museus que integram a feira, a exemplo de “Axé do Acarajé”, do Memorial das Baianas, e “A Cachoeira de Paulo Afonso”, do Parque Histórico Castro Alves.

Réplicas de partes do corpo humano, experimentos de física, química e biologia, jogos de matemática, dentre outros objetos, divulgam a ciência de modo lúdico no Ônibus Ciência Móvel do Museu de Ciência e Tecnologia da UNEB, que também estará instalado na Feira de Museus. O público poderá ainda tirar dúvidas sobre o campo de Museologia com representantes do Conselho Regional da área e da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

 A programação artística inclui os grupos Gente do Choro, Arte Trio, de MPB instrumental, e Os Vendavais, de samba de viola, os vencedores do 12º Festival de Declamação de Poemas de Castro Alves, e apresentações de música e dança do Colégio Severino Vieira e do Memorial Kisimbiê, que traz uma interpretação do cordel Acará, de Antônio Vieira. O encerramento fica por conta da Orquestra Museofônica. Confira a lista dos museus que irão participar da Feira.

Museus comemoram a chegada da Primavera com programação intensa

Entre 21 e 30 de setembro, unidades vinculadas à Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia e instituições parceiras promovem a 6ª Primavera dos Museus com o intuito de sensibilizar a sociedade para a função social destes espaços, tema do evento para o ano de 2012. Durante nove dias, públicos de todas as idades terão a sua disposição uma vasta programação gratuita que inclui apresentações de corais, de dança, música, teatro e teatro de fantoches, exibição de documentários e vídeos infantis, visitas mediadas, exposições, fórum de discussão, mesas redondas, palestras, contação de histórias e oficinas de reciclagem, dança e construção de instrumentos musicais. Confira aqui a programação completa.

A abertura do evento acontece no dia 21 de setembro, a partir das 15h, no Palácio da Aclamação, com a realização da 4ª edição do projeto Casulo de Artes Inclusivas. A atividade, que tem como tema o centenário de Jorge Amado, celebra o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência. No Jardim do Palácio, cordelistas e grupos de teatro, música e dança farão apresentações inspiradas nas obras do escritor baiano, a exemplo de Mar Morto e Gabriela, Cravo e Canela. Às 18h, a Arena Companhia de Artes promoverá, no hall do Palácio, o concerto operístico Poèmes Harmoniques, composto por músicas eruditas francesas.

O debate sobre acessibilidade e inclusão também se destaca na programação do dia 26. A partir das 9h, o Museu Eugênio Teixeira Leal sedia o Fórum de Acessibilidade em Museus – Autodefensoria e Empoderamento. O evento irá discutir os principais problemas de acessibilidade enfrentados por pessoas com deficiência nos museus. Na ocasião, haverá exposição fotográfica do grupo Libras em Foco e apresentação do grupo Passos de dança inclusiva (SESI). Às 16h, no Solar Ferrão, ocorrerá a exibição do documentário “Olhares”, sobre acessibilidade a espaços culturais, com participação dos diretores, Felipe Mianes e Mariana Baierle. Interessados em conhecer as obras do ceramista Udo Knoff através do toque poderão participar da visita mediada “De olhos bem vendados” no Museu Udo Knoff. O agendamento pode ser feito através do telefone (71) 3117-6389.

No dia 27 de setembro, às 17h30, no Salão Nobre do Palácio da Aclamação, haverá a abertura do Ciclo de palestras – Palácio da Aclamação 100 anos, atividade promovida em comemoração ao centenário da transformação do antigo Palacete dos Moraes em residência oficial dos governadores da Bahia. A arquiteta e mestre em História Social, Maria do Socorro Targino, irá ministrar a palestra “A expansão urbana da cidade de São Salvador (final do século XIX e início do século XX)”. O Ciclo de palestras segue até dezembro, com uma apresentação em cada mês.

O evento “Leituras sobre Arte Contemporânea na Bahia” leva ao Cinema do MAM no dia 28 (sexta), às 15h, a pesquisadora e mestre em artes visuais, Priscila Lolata, para falar sobre obras de artistas baianos que se distanciam das imagens da Bahia presentes nos cartões-postais. No Palácio da Aclamação, às 16h, o Sarau Cultural reúne nove grupos artísticos. Dentre as atrações, está a Orquestra Museofônica da DIMUS, com a apresentação das Máscaras que Tocam, coordenada pela etnomusicóloga, Emília Biancardi. Entre sexta e domingo (30), das 10h às 19h, o Palacete das Artes saúda a chegada da primavera com a sua tradicional Feira de Orquídeas.

A 6ª Primavera dos Museus foi construída pela DIMUS em parceria com a Escola de Dança da Funceb, Colégio Estadual Azevedo Fernandes, nove espaços museais (Museu de Arte Sacra, Museu Afro-Brasileiro, Núcleo de Ofiologia e Animais Peçonhentos, Laboratório de Bionomia, Biogeografia e Sistemática de Insetos, Museu de Zoologia da UFBA, Museu Eugênio Teixeira Leal, Memorial Kisimbiê, Museu Geológico da Bahia, Museu Arqueológico da Embasa), oito instituições voltadas a pessoas com deficiência (Perspectivas em movimento, APAE, Instituto de Cegos da Bahia, Centro de Apoio Pedagógico, Centro de Apoio a Inclusão – SESI, Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Auditivos, Associação Baiana de Deficientes Físicos, Associação Baiana para Cultura e Inclusão) e seis grupos artísticos (Oficina de Investigação Musical, Arena Companhia de Artes, Coral da Cidade do Salvador, Caixa Aberta, Coletivo Duo, Friquetrupe).

Primavera dos Museus – Coordenada pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/Ministério da Cultura), a Primavera dos Museus é realizada anualmente em espaços museais e instituições culturais de todo o país na semana do início da estação. O objetivo é sensibilizar os museus e a comunidade para o debate sobre assuntos da atualidade. Mais de 800 museus e outras instituições culturais têm participação confirmada nesta temporada. Com mais de 2.400 eventos em 364 municípios, a programação atinge todos os estados e o Distrito Federal. Pela primeira vez, também participará da iniciativa uma instituição de outro país: o Museo Etnolóxico, de Ribadavia (província de Ourense), na Espanha.

Encontro Baiano de Museus será bienal

Com três edições já realizadas, o Encontro Baiano de Museus, uma promoção da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, se tornará bienal. Com esta nova configuração, a Diretoria pretende construir um legado para o setor museológico, com a construção de uma agenda de trabalho com metas a serem cumpridas durante dois anos, e compartilhadas com os profissionais da área.

Dessa forma, para a 4ª edição, que será realizada em 2013, estão previstas não somente a apresentação de cases de museus e palestras de convidados nacionais e internacionais, mas também a presença de uma maior variedade de segmentos do campo museológico, através de uma feira de serviços, a publicação da memória do evento e de documentos importantes para o setor e a utilização de recursos para a promoção da acessibilidade informacional.

DIMUS planeja atividades da 6ª Primavera dos Museus em parceria com diversas instituições de Salvador

Na próxima quarta-feira, dia 01 de agosto, às 14h, a Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (DIMUS/IPAC) estará realizando uma reunião com diversas instituições do campo da cultura que atuam em Salvador, para juntas discutirem uma proposta de ação integrada para a 6ª Primavera dos Museus. O encontro será promovido no Salão Nobre do Palácio da Aclamação.

Foram convidados para a reunião representantes de museus, da Fundação Cultural do Estado da Bahia, da Fundação Pedro Calmon, do Centro de Culturas Populares e Identitárias, unidades da Secretaria de Cultura do Estado, além da Superintendência dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, do Instituto dos Cegos, de universidades, escolas e  ONG´s, dentre outras entidades.

O objetivo é ampliar e fortalecer as atividades que serão desenvolvidas nos museus durante a 6ª Primavera dos Museus, que, este ano, acontece entre os dias 24 e 30 de setembro, e tem como tema A Função Social dos Museus. O evento é coordenado pelo Instituto Brasileiro de Museus/Ministério da Cultura (Ibram/MinC) e é realizado anualmente com o objetivo de mobilizar as instituições museais e a comunidade para o debate sobre temas da atualidade.

Divulgado resultado do Edital Setorial de Museus

A Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, autarquia da Secretaria de Cultura do Estado, divulga o resultado das propostas pré-selecionadas para o Edital Setorial de Museus. O edital tem por objetivo apoiar propostas culturais na área de museus, que tenham como objetivo a preservação, valorização, pesquisa, inventário, difusão, dinamização, qualificação da gestão e formação. De 37 propostas enviadas, 30 foram habilitadas para participar da seleção que definiu os 19 projetos pré-selecionados e os 12 que serão convocados para ajustes e entrega de documentos obrigatórios para assinatura de TAC, conforme valor disponível e regra de territorialização previstos no edital. No total, serão investidos R$ 665.593,12 no setor. Confira aqui a lista de propostas.

Os 12 projetos apresentam ações que beneficiam 15 municípios, pertencentes a oito dos 27 territórios de identidade da Bahia (Itaparica, Litoral Sul, Recôncavo, Região Metropolitana de Salvador, Chapada Diamantina, Vitória da Conquista, Bacia do Rio Corrente e Baixo Sul). As propostas abrangem inventários e informatização de acervos, planos museológicos, atividades educativas, ações de dinamização, publicações, montagens de exposições e criação de museus e memoriais. “Foram priorizadas ações estruturantes, que estimulam o intercâmbio entre instituições e o diálogo com a comunidade e são voltadas para a valorização do patrimônio museológico”, explica a coordenadora de editais da Diretoria de Museus, Ana Cristina Coelho.

Alguns dos projetos surgiram a partir de parcerias firmadas durante a Oficina de Elaboração de Projetos realizada pela DIMUS no início do mês de junho. É o caso das propostas “Plano Museológico – Proposta de Estruturação do Memorial Misael Tavares”, para elaboração de plano museológico e instrumentos de gestão para o memorial localizado em Ilhéus, “Inventário dos Acervos Museológicos do Parque Histórico Castro Alves”, que inclui documentação e inventário do acervo do Parque localizado em Cabaceiras do Paraguaçu e produção de um catálogo, e “Elaboração do plano museológico para o Museu Regional de Vitória da Conquista”.

O museólogo e professor da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Mário Chagas, o museólogo e gestor da empresa TecnoMuseu, Anibal Gondim, e a coordenadora de editais da Diretoria de Museus, Ana Cristina Coelho, integraram a Comissão do Concurso. A seleção teve como parâmetro as diretrizes da Política Estadual de Cultura, a descentralização das ações no Estado e a promoção da diversidade de expressões culturais. Foram levados em conta os seguintes critérios: valor cultural, consonância com as políticas estaduais de cultura, qualificação do proponente, viabilidade e qualidade técnica do projeto. “Buscamos ainda, contemplar a diversidade do campo museológico na Bahia, tendo como referência a Política Setorial de Museus e o mapeamento das instituições museológicas existentes na Bahia”, completa Ana Cristina.

Confira também a lista completa de convocados, selecionados suplentes e não selecionados.

Inscrições abertas para Oficina de Conservação Preventiva de Acervos Museológicos em Alagoinhas

Já estão abertas as inscrições para a Oficina de Conservação Preventiva de Acervos Museológicos, que acontece nos dias 08, 09 e 10 de agosto, das 9h às 17h, no Centro de Cultura de Alagoinhas. Ministrada pela professora Maria das Graças de Souza Teixeira, da Universidade Federal da Bahia, a atividade é gratuita e tem como objetivo oferecer orientação técnica básica para o aperfeiçoamento dos estudantes, museólogos e profissionais que atuam em instituições museais da região. Ao total, serão oferecidas 40 vagas. Os interessados têm até o dia 27 de julho para efetuar sua inscrição pelo e-mail  oficinasnat.dimus@gmail.com. Serão oferecidos certificados aos participantes.

A Oficina de Conservação Preventiva de Acervos Museológicos integra o Ciclo de Oficinas de Capacitação realizado pela Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Dimus/IPAC) em parceria com a Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Secretaria de Cultura do Estado. O ciclo teve início no dia 18 de julho, em Santo Amaro, e segue até o mês de dezembro. Os próximos municípios a receberem as oficinas são: Itabuna (22 a 24.08), Guanambi (19 a 21.09), Juazeiro (17 a 19.10), Feira de Santana (07 a 09.11) e Porto Seguro (05 a 07.12). As atividades irão contemplar cinco, das sete macrorregiões museais que atendem aos 27 territórios de identidade da Bahia.

Estão previstas ainda as Oficinas de Gestão Museal, de Ação Sociocultural e Educativa nos Museus e de Acessibilidade Universal. Além de sediar as oficinas, os municípios irão receber visitas técnicas realizadas por profissionais da DIMUS. O objetivo é fazer uma análise qualitativa das instituições museais existentes na região, com verificação do tipo de acervo e das ações educativas desenvolvidas nestes espaços. As visitas culminarão na atualização do Cadastro de Museus do estado. Mais informações pelo telefone: (71) 3117-6381. 

Museu Wanderley Pinho recebe o secretário de Cultura, Albino Rubim

Na manhã desta terça-feira (10.07), o secretário de Cultura do Estado, Albino Rubim, visitou o Museu do Recôncavo Wanderley Pinho e fez algumas considerações sobre o Projeto de Implantação do Parque do Engenho Freguesia – Museu do Recôncavo Wanderley Pinho, que está sendo avaliado pela Secretaria de Turismo e poderá ser executado a partir de recursos do Prodetur – Nacional.

Depois de conhecer os 55 cômodos que compõem o casarão erguido em 1586 por Sebastião Farias e o espaço onde funcionava a fábrica do engenho, o secretário discutiu detalhes do projeto com a diretora de Museus do IPAC, Maria Célia T. Moura Santos, a assessora da DIMUS, Ana Liberato, e a coordenadora do museu, Maria de Fátima Santos. O projeto tem como objetivo a implantação do Parque do Engenho Freguesia – Museu do Recôncavo Wanderley Pinho, recuperando o conjunto arquitetônico e requalificando os espaços expositivos e administrativos, bem como instalando equipamentos de produção e serviços no entorno.

“Neste monumento deslumbrante, temos um representativo museu histórico da Bahia, mas não podemos perder de vista que ele tem que ser sustentável”, ressaltou Rubim. Nesse sentido, o secretário deu algumas sugestões: a implantação de um parque ecológico, a criação de um centro de convenções na área da fábrica, que possa ser utilizada também pelas empresas do entorno, alojamentos para pesquisadores e residências artísticas e um restaurante onde os visitantes possam experimentar a culinária da região.

Solar Ferrão recebe exposição que conta a história da Capoeira

Foto: André Cypriano

Capoeira – luta, dança e jogo da liberdade é uma exposição fotográfica itinerante, que já passou pelo Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo entre 2010 e 2011. Neste ano de 2012, com o patrocínio da Petrobras (via Lei Rouanet), a mostra foi exibida em Aracaju, Recife e agora poderá ser vista em Salvador, a partir de 13 de julho, às 18h, no Solar Ferrão. Realizada pela Aori Produções Culturais com o apoio da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, a exposição fica em cartaz até 19 de agosto.

A mostra apresenta fotografias de André Cypriano e é fruto da pesquisa para o livro homônimo – com textos de Rodrigo de Almeida e Letícia Pimenta – lançado em 2009. Os trabalhos resgatam a história da capoeira, desde seu surgimento no Brasil Colonial até os dias de hoje, ressaltando aspectos de promoção e valorização da cultura nacional, além de sua função de agregação social.

A exposição é composta por 40 fotografias em preto e branco e coloridas, além de 10 ilustrações (de autoria de Debret e Auguste Earle, entre outros), e de textos explicativos. Ela revela uma rica manifestação cultural brasileira, das mais pesquisadas no mundo, reconhecida e praticada em todos os estratos sociais, no território nacional e, também, em vários países. Entre 1992 e 2008, centros de capoeira e capoeiristas de Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Nova York, San Francisco, Recife, Brasília, Olinda e Angra dos Reis foram retratados pelas lentes de André Cypriano.

A expografia recria um ambiente de sala de capoeira e utiliza elementos como um assentamento para o Orixá Exu – a entidade que deve ser cumprimentada antes de qualquer roda iniciar-se –; uma fotografia em louvor ao grande Mestre Pastinha – remontando um pequeno altar existente em diversos centros de ensino e prática da capoeira –; os instrumentos musicais utilizados e uma ambientação sonora típica das rodas. Haverá ainda exibição do vídeo Dr. Mestre João Pequeno, produzido pela Fundação Palmares. A curadoria da exposição é de Denise Carvalho, produtora cultural e diretora da Aori Produções Culturais.

Além da exposição, será oferecida, entre 30 de julho e 03 de agosto, das 8h30 às 11h30, aos alunos da Escola Municipal Vivaldo Costa Lima e da Escola Criativa Olodum uma Oficina de Capoeira. A atividade será coordenada pelo Grupo N’zinga de Capoeira.

ANDRÉ CYPRIANO – Nasceu em 1964, em São Paulo. Em 1990, um ano após a sua mudança para os Estados Unidos, André começou a estudar fotografia em São Francisco. Desde então, realizou vários projetos que têm sido expostos em galerias e museus no Brasil, na Europa e nos EUA. Como parte de um projeto de longo prazo, começou a documentar estilos de vida tradicionais e práticas de sociedades em lugares menos conhecidos nos remotos cantos do mundo. Cypriano fotografou o povo de Nias, na costa oeste da Sumatra (Nias: pulando pedras), e práticas de rituais em Bali (Bali: uma busca espiritual). Seus documentários fotográficos têm sido usados em seminários educativos. Atualmente, ele trabalha como fotógrafo freelancer em Nova York e Rio de Janeiro, dando continuidade a projetos sociais e culturais.

AORI PRODUÇÕES CULTURAIS – A Aori é uma empresa que há 10 anos desenvolve, gerencia e produz conteúdos culturais, como projetos de exposições itinerantes e edições de livros nas áreas de patrimônio cultural brasileiro, temas sociais e artes visuais. Seus trabalhos primam pelo critério de suas escolhas, qualidade do planejamento à execução, e sofisticação dos resultados.