Exposição “Carnavais” é aberta no museu Udo Knoff

Com aproximação do Carnaval de 2023, que será festejado no dia 21/02, o Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica, em parceria com o figurinista e artista plástico, Joaquim Assis, lançam no dia 31/01, às 10h, a exposição “Carnavais”. Na mostra serão expostas fantasias carnavalescas criadas pelo figurinista para o grupo e bloco Eterna Juventude.

O bloco da 3ª Idade, com cerca de 150 integrantes, foi criado para o carnaval de 2000. Seu objetivo é resgatar e manter viva a tradição do carnaval, aliado à inserção de pessoas da 3ª Idade neste contexto. Além disso, todo o figurino é feito de material reciclado com ênfase na educação ambiental.

Assis, hoje com 57 anos, começou a traçar sua carreira muito cedo, aos 12 anos, na construção do Bloco de Carnaval Top Les. Com a ajuda de seus irmãos, parentes, amigos e vizinhos teve início sua vida como figurinista criando fantasias com materiais alternativos: retalhos coloridos e brilhantes. O artista também usava latas de manteiga, de óleo e sucatas de geladeira para criar os carros alegóricos. Hoje, as fantasias, os trajes, e as alegorias ainda são confeccionadas em mutirões coordenados por Assis.

O Bloco tem música própria, é acompanhado de uma banda de sopro e percussão e demais ritmos de samba. Tudo de maneira sócio recreativa, trabalhando a educação ambiental, levando beleza, luxo e consciência unidos à alegria de pessoas vividas.

“Utilizamos materiais que seriam danosos ao meio ambiente e transformamos em arte.”, afirma Assis que também é coordenador geral do grupo.

Entrada gratuita e condicionada ao uso de máscara e à apresentação do comprovante de vacinação contra a Covid-19.

Publicidade

Live Emília Biancardi – Viva Bahia de todos os sambas: 40anos

A live, que será transmitida pelo endereço youtube.com/@labdimus604, no dia 26/01(quinta-feira), às 14h30 (horário de Brasília) e às 18h30 (horário de Roma), tem o objetivo de divulgar o legado da compositora, etnomusicóloga, professora e pesquisadora da música brasileira, Emília Biancardi, além de homenagear os 40 anos do festival de MPB, “Bahia de Todos os Sambas”, ocorrido em Roma entre 23 e 30/08/1983.

O quê: Live Emília Biancardi – Viva a Bahia de todos os Sambas: 40 anos.

Quando: 26/01, às 14h30 (horário de Brasília) e às 18h30 ( horário de Roma)

Onde: no canal do YouTube. youtube.com/@labdimus604

Brahma kumaris em parceria com o Centro Cultural Solar Ferrão apresenta a exposição “Paz em todas as línguas ”

Em tempos tão confusos nos quatro cantos do mundo, refletir sobre a paz é tarefa das mais urgentes. Pensando nisso, a Brahma Kumaris apresenta a exposição “Paz em todas as línguas ”, com abertura em 13 de janeiro, às 15h, no Centro Cultural Solar Ferrão (Pelourinho). A mostra coletiva, que fica em cartaz até 15/03, conta com algumas instalações, obras interativas e pretende encantar, surpreender e inspirar o público a assumir também a tarefa de se tornar um pacificador.

Na abertura da exposição, o público contará com uma pequena explanação sobre o tema da paz nas vertentes espiritual e social que serão feitas por Ken O’Donnell, Coordenador para a América Latina da Brahma Kumaris, e por Luciana M. S. Ferraz, Coordenadora da Brahma Kumaris no Brasil, respectivamente.

 A mostra conta com dois ambientes, um contemplativo e outro mais interativo, o “Espaço Jovem”. Entre as obras do espaço contemplativo, destaque para a “Oceano de Conhecimento” com 8 telas penduradas sobre um imenso painel do Oceano que trazem reflexões sobre alma e matéria. Outra obra, “A tenda da paz/Gire a paz em silêncio”, é uma tenda branca de meditação com iluminação e música ambiente. Já o “Espaço Jovem” é um ambiente lúdico e divertido com a imensa projeção de um clipe feito em Stop Motion por Alex Pochat; a obra “ Pinte a Paz”, na qual as pessoas podem colorir em um painel; um espaço central para sentar e fazer pinturas e desenhos sobre paz; e a obra “Paz em todas as línguas” que dá nome à exposição: diversas caixas nas quais se pode ler depoimentos de jovens de várias partes do mundo compartilhando suas experiências de como pacificam suas vidas. Essas são só algumas das obras que podem ser vistas na exposição. 

“O propósito da exposição é oferecer inspiração e também algumas pistas sobre a verdadeira natureza e o poder da paz que cada indivíduo carrega em si. Ela pretende mostrar um “espaço interior”, onde sempre se poderá encontrar paz. Cada ser humano é um potencial ‘pacificador’ no mundo de suas casas e de seu trabalho, bem como no próprio mundo. Mas primeiro é preciso redescobrir a paz interior e conhecer seu poder. É uma descoberta razoavelmente fácil. Mas requer uma tomada de consciência”, explica Goreth Dunningham, uma das curadoras da exposição.

Brahma Kumaris

A Brahma Kumaris é um movimento espiritual difundido por mais de 110 países, com sede em Mount Abu (Índia), escritórios em Londres (Reino Unido), Moscou (Rússia), Nairóbi (Quênia), Nova York (EUA) e Sidney (Autrália). A BK promove meditação, a prática filosófica da Raja Yoga, retiros espirituais, iniciativas ambientais, projetos educativos, culturais e artísticos. Mais informações: www.brahmakumaris.org.br.

Publicado em 1

Museu do Recolhimento dos Humildes exibe nova exposição “ Fevereiro da Purificação: Memórias de um povo”

Em celebração ao aniversário de 415 anos de Ereção Canônica – ato através do qual uma autoridade eclesiástica reconhece e aprova os estatutos de uma paróquia –  da Paróquia Nossa Senhora da Purificação, a exposição “ Fevereiro da Purificação: Memórias de um povo” contará a história da Paróquia através de registros fotográficos e da arte devocional. A exposição será aberta ao público no dia 06/01 (sexta-feira), às 15h, no Museu do Recolhimento dos Humildes.

 A mostra, que ficará em exibição até o dia 01/02, pretende traduzir o sentimento natural de devoção da cidade por Nossa Senhora da Purificação, sentimento este que fica mais aflorado no período festivo, que vai de 22/01 a 02/02.   A relevância histórica e cultural da devoção à Virgem da Purificação ultrapassa os limites da cidade e atrai milhares de pessoas de todo o Brasil.

Na exposição, os visitantes conhecerão a história da Paróquia que começa como uma simples Capela as margens da foz do Subaé até finalmente chegar a construção e inauguração da Matriz em 1700.

De acordo com José Cezar, um dos organizadores da mostra, “essa exposição é a realização de um sonho. Durante 415 anos da existência da Paróquia Nossa Senhora da Purificação acumulou-se dados históricos, artísticos e devocionais que traduzem a maneira do Recôncavo rezar. Tentamos traduzir, mesmo que jamais de maneira completa, o histórico de relação entre a cidade de Santo Amaro e a Virgem da Purificação. ”

O acesso ao museu está condicionado ao uso de máscara e a apresentação do cartão de vacinação.

Mimọ Ọkàn: Limpeza da Alma na Lavagem do Bonfim, nova exposição do Museu Tempostal

Em sua mais nova exposição, o Museu Tempostal, através de 36 postais e fotografias, contará a história de uma das principais manifestações que une culto religioso e festa popular, a Lavagem do Bonfim. A exposição Mimọ Ọkàn: Limpeza da Alma na Lavagem do Bonfim, terá abertura no dia 14/12, quarta-feira, às 10h.

A exposição conta como esse tradicional evento, a lavagem do Bonfim, começou e o processo percorrido para chegar ao festejo que temos hoje. Evidencia a importância que essa lavagem tem para a cidade e a notória participação das religiões de matriz africana em sua consolidação.

Aiala da Silva, museóloga responsável, explana sobre a relevância do festejo para a população, o que enfatiza a importância dessa exposição.

“Podemos entender a Lavagem do Bonfim como um momento de comemoração e de memória. Um momento para a elaboração e reelaboração de identidades.  É uma experiência religiosa única, na qual todos estão vivenciando aquele momento juntos. A identidade religiosa está presente como fator de unificação, no qual todos se identificam como filhos do Senhor do Bonfim e/ou de Oxalá, tornando-se um momento importante com um sentimento de pertença. ” Afirma a museóloga.

O acesso ao museu está condicionado ao uso de máscara e a apresentação do cartão de vacinação.

Equipe do Solar Ferrão realiza oficinas com estudantes no Colégio Estadual Severino Vieira

Como parte da celebração do Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, o Centro Cultural Solar Ferrão realizou três (03) oficinas explorando temas e conteúdos que remetem à cultura africana e afro-brasileira a partir dos acervos apresentados na Casa: Coleção de Arte Africana Claudio Masella e também a Coleção de Instrumentos Tradicionais Emília Biancardi. As atividades  foram desenvolvidas no Colégio Estadual Severino Vieira.

07/11/2022- Oficina de Máscaras Africanas

Foram confeccionadas pelos alunos máscaras com base na cultura dos povos africanos através do reaproveitamento de caixas de papelão.

21/11/2022- Confecção de Boneca Abayomi

A proposta da realização dessa atividade vai além da confecção da boneca Abayomi, pois perpassa pela história e culmina na confecção da mesma.

21/11/2022 – Oficina de muralismo- Baobá

A atividade propôs a construção de um mural com a representação do baobá. A árvore, nativa do Continente Africano, possui grande importância para os povos africanos, sendo considerada símbolo de fertilidade, fartura e cura.

Projeto leva estudantes de escola pública aos Museus

O projeto Estudantes no Museu segue a todo vapor.
No primeiro momento, os estudantes da Escola Professora Candoluna fizeram uma visita guiada pelo Centro Histórico, na qual uma museóloga foi explicando momentos da história. Em seguida, fizeram uma visita guiada aos museus da Dimus e, após o almoço, participarão de diversas oficinas.
São a história e a cultura vivenciadas fora dos muros das escolas, na prática.
Uma riqueza imensa para cada estudante.

Centro de Referência Emília Biancardi completa três anos

Inaugurado em 08 de novembro de 2019, o Centro de Referência Emília Biancardi foi idealizado e instituído com o objetivo de preservar e divulgar o legado da compositora, etnomusicóloga, professora e pesquisadora da música brasileira.

O acervo do Centro de Referência reúne livros sobre música, literatura, folclore, cultura indígena, religião, dança, capoeira, carnaval, história, cultura popular, obras de referência e biografia. Além disso, também é composto por periódicos, partituras, fotografias, CD, DVD, vídeo, áudio, dossiê com cópias de eventos (ofícios, correspondências, cartas, reportagem local e de outros países), troféus e medalhas.

Para ter acesso ao acervo é necessário agendar previamente a visita enviando um e-mail para o endereço  centroemiliabiancardi@gmail.com

Lançamento do livro “Palavras de uma mulher preta”

Em 05/11 (sábado), às 14h, no Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica, será lançado o livro “ Palavras de uma Mulher Preta”, de Melissa Santos dos Santos, seguido de uma roda de bate-papo sobre a produção do mesmo.

O livro, publicado postumamente por seu irmão Alan Santos, sua irmã Milena Santos e outros familiares, é uma forma de honrar o legado de Melissa, que teve a vida ceifada pela infecção do COVID-19 aos 28 anos.

A obra traz em seu conteúdo reflexões sobre a construção da identidade da mulher negra, entre outras percepções acerca da temática negra.

De acordo com Alan Santos, editor do livro, “ em seu livro, Melissa, registrou seu desenvolvimento, suas vivências e percepções do mundo, além de dedicar parte da obra a resgatar histórias de negros escravizados, que tiveram suas vidas registradas em documentos acessíveis na Santa Casa de Misericórdia, onde trabalhava como Restauradora documental”

Museu Tempostal comemora 25 anos com abertura da exposição “Um olhar sobre Salvador/Bahia”

Em comemoração aos 25 anos do Museu Tempostal, no dia 08/11, às 10h, será aberta a exposição “ Um olhar sobre Salvador/Bahia”, do Aquarelista Luiz Neto. A mostra contará com 25 obras, nas quais o artista retrata em aquarela a beleza da paisagem urbana de Salvador, sua arquitetura, suas praias e ritos.

“ Nesta exposição individual, apresento parte de todo um trabalho em aquarela criado com base em desenhos de observações e fotos, nos quais procuro registrar o momento criado e os valores mágicos definidos pelas paisagens urbanas e marinhas, foco principal de todo meu trabalho como artista aquarelista. ”  Explica, Neto.

Desta maneira, não haveria melhor forma para comemorar ¼ de século do museu, completados no dia 05/11, que não fosse com uma exposição tão simbólica sobre a Bahia.

“É muito importante essa parceria com Luiz Neto pelo trabalho belíssimo que ele faz com a aquarela e também retratando lugares de Salvador, construindo um diálogo entre a aquarela e o nosso acervo de cartões postais, onde os lugares podem ser vistos de forma diferente”, afirma Aiala Silva, museóloga responsável pela exposição.

Sobre o autor

Luiz Neto trabalha com aquarela desde 1986. O artista é membro da Internacional Watercolor Society, antropólogo e psicólogo. Já participou de Bienais internacionais, Festivais e exposições coletivas no Brasil e no exterior. Atualmente, participa da terceira Bienal da Bolívia, festival de aquarela em Honduras.